Começar a investir com apenas €100? Sim, é possível

€100 pode não parecer muito, mas pode fazer esse valor crescer. Saiba o que são juros compostos e pode começar a investir já hoje.

Ao contrário do que se possa pensar, não é preciso ter uma pequena fortuna ou ser milionário para começar a investir. Nem de longe, nem de perto. Felizmente, isso significa que, para muitos dos que estão a ler este artigo, se acabaram as desculpas para continuar a adiar aquele investimento que já poderia ter feito.

Construir um portfólio de investimentos é um passo essencial para garantir que gera riqueza para o futuro. Se pretende apostar algum do seu tempo nesta matéria e dar um passo em frente, financeiramente falando, só precisa de €100 ou até menos para começar a criar um bom hábito. Com o tempo verá o efeito dos juros compostos. Explicamos como.

Primeiramente, é importante desconstruir a ideia de que apenas com grandes valores é possível movimentar fundos e aplicá-los em investimentos. É verdade que muitos mercados tradicionais são desenhados para quem tem bastante dinheiro para investir, mas a boa notícia é que nos dias que correm não nos faltam opções de investimento realistas, de confiança e pensadas para todos: mesmo para quem não quer investir mais do que €100 à partida. O mercado de investimento não é uma ciência que discrimine com base no saldo das suas poupanças – é sim uma ferramenta para fazer render as mesmas.

Precisa de ter a atitude certa ou €100 serão apenas… €100. Não veja esse valor como um saldo finito e limitado. Veja-o como o começo de algo. Investimentos inteligentes podem multiplicar o seu dinheiro e há que começar por algum lado.

Quanto mais cedo investir qualquer que seja o montante que tem disponível mais depressa verá o efeito dos juros compostos. Já antes lhe tínhamos falado do funcionamento desses juros – que acumulam interesse e valor ano após ano e não apenas com base no valor inicial de investimento.

As opções tradicionais afastam muitos investidores do mercado. Desenhadas por bancos comuns, não são feitas para todos. Na era das fintechs e dos bancos digitais em que vivemos, o investidor moderno quer simplicidade, confiança e transparência – e o online é a ferramenta ideal para isso.

Ao longo dos últimos anos temos assistido ao surgimento de diversas plataformas de investimento 100% digitais, como o crowdfunding e crowdlending. A Bondora é uma delas e é considerada uma das plataformas de crowdlending mais recomendadas da Europa. Através dela, relaciona-se com investidores que procuram gerar rendimento recorrendo a pessoas que precisam de empréstimos. É tudo bastante simples: o investidor empresta o dinheiro e, em troca, recebe esse dinheiro e os juros que lhe estão associados. A Bondora é apenas a intermediária desta transação

A plataforma está no mercado há 10 anos, mas muitas pessoas ainda não entendem o conceito de crowdlending, quando na verdade é bastante fácil de utilizar. Com recurso ao Go & Grow, a Bondora permite que o investidor apenas acrescente fundos à sua conta e deixe o rendimento esperado chegar até aos 6,75%* ao ano. Os juros são recebidos diariamente e, a qualquer momento, pode pedir a retirada dos fundos a 100%.

 

É uma das opções mais simples que lhe sugerimos. O registo leva apenas um minuto, é fácil de usar, garante uma alta liquidez e pode começar com qualquer valor a partir de €1 (imagine o que faria com €100).

*Como em qualquer investimento, o capital está em risco e os investimentos não são garantidos. O rendimento é de até 6,75% ao ano. Antes de investir, consulte por favor a declaração de risco da Bondora ou entre em contacto com o seu assistente financeiro.

ETFs

Se preferir, pode optar por ETFs (Fundos Cotados em Bolsa). Funcionam da mesma forma que um fundo de investimento tradicional: vários investidores confiam o seu dinheiro a um gestor que, no final, recebe as suas comissões. A única diferença é que esta gestão é mais simples, barata e transparente com os ETFs, porque já existem diversas plataformas adequadas aos tempos modernos e que permitem ao utilizador controlar totalmente o investimento.

Tal como acontece no mercado das ações, os ETFs podem ser voláteis e gerar prejuízos a quem tem pouca experiência no mundo dos investimentos – e o valor de entrada é sempre mais elevado graças aos custos associados à compra e venda em bolsa.

O modelo tradicional

Ao lado de todas estas opções, talvez seja levado a acreditar que o melhor é mesmo confiar num banco tradicional. Estes ainda garantem bastante credibilidade junto do investidor, mas o rendimento dos juros bancários é próximo de zero e todo o constrangimento burocrático que a banca atravessa podem-lhe causar alguma frustração.

Além disso, os bancos tradicionais cobram, na sua maioria, taxas de manutenção elevadas.

 

Informe-se, escolha a melhor opção para si e para o seu dinheiro. Ele não vai a lado nenhum se não lhe tocar. Seja qual for a opção não se esqueça que quanto mais cedo investir, mais juros receberá e maiores tendem a ser os seus lucros no futuro. Um pequeno investimento, como €100 hoje, pode mudar a sua vida amanhã.

 

 

Este conteúdo foi produzido em colaboração com a Bondora.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários