“Portugal já é reconhecido pelo seu talento”, realça country manager da Oracle

Em entrevista ao Jornal Económico, o country manager afirmou que o motivo para a instalação do novo centro no Porto justifica-se com o “talento tecnológico existente na região, pela proximidade de diversas universidades de referência no setor das tecnologias e rede de transportes existentes”.

A empresa Oracle anunciou no passado mês de abril a abertura de um novo centro tecnológico no parque da Lionesa, em Leça do Balio, para meados de julho. Bruno Morais assumiu as funções de country manager da subsidiária portuguesa no início deste ano, e uns meses depois já estava a anunciar a criação de um centro tecnológico, precisamente no ano em que se celebram 30 anos da empresa em Portugal.

Apesar do centro só abrir em julho, Bruno Morais conversou com o Jornal Económico sobre a criação de emprego no norte do país e sobre o talento tecnológico que existe em Portugal.

Quando questionado sobre a escolha do Porto para a instalação do novo centro de tecnologia, o country manager afirmou que se prendeu muito “pelo talento tecnológico existente na região, pela proximidade de diversas universidades de referência no setor das tecnologias e rede de transportes existentes”.

“Trata-se de um centro de competências com foco na inovação de tecnologia e serviços para a área do retalho na EMEA”, explicou sobre as funcionalidades desta nova infraestrutura. A multinacional de tecnologia e informática norte-americana pretende, então, exportar os serviços aqui feitos para o triângulo Europa-Médio Oriente- África.

Durante o anúncio, em abril, Bruno Morais referiu que no arranque iam contar com cerca de 50 colaboradores, embora com a previsão de “contar com 100 colaboradores nos primeiros 12 meses de operação”.

Com a expansão para o Porto, sendo que já têm um centro em Lisboa, o responsável garante que “temos excelentes profissionais em Portugal na área da tecnologia cujo empenho, criatividade e adaptação à mudança são claros diferenciadores”. Além do profissionalismo, Bruno Morais referiu que “Portugal tornou-se numa importante referência no mapa digital da Europa e o Web Summit foi uma boa ajuda”.

“Portugal já é reconhecido pelo seu talento e pelas excelentes condições que consegue oferecer para receber empresas tecnológicas”, continua o licenciado em engenharia informática. “O aumento de visibilidade de Portugal nesta área tem sido um bom trabalho desenvolvido pelo governo, câmaras municipais e outros agente”, afirmou.

“O resultado está à vista, deve orgulhar-nos e servir de motivação para continuarmos neste caminho de dar a conhecer o que de melhor se faz no nosso país”, acrescentou o novo country manager. Embora não estejam previstos mais centros tecnológicos ou investimentos, Bruno Morais revelou que a empresa está sempre atenta a novas oportunidades que possam surgir.

Ler mais
Recomendadas

Mais de 190 empresas públicas angolanas vão ser privatizadas

A privatização será via Bolsa de Valores, ainda a partir de 2019, para aumentar os níveis de eficiência, anunciou fonte do Ministério das Finanças de Angola.

Circulação do Jornal Económico dispara 70% até abril

A circulação total do Jornal Económico atingiu o valor mais elevado de sempre no segundo bimestre de 2019, com uma subida de 70% para uma média de 9.556 exemplares por edição, nos suportes em papel e digital, segundo os dados hoje divulgados pela Associação Portuguesa de Controlo de Tiragem e Circulação (APCT). Obrigado pela sua preferência!

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.
Comentários