Máximo dos Santos warns of the need for a strategy to exit the moratorium regime

Luís Máximo dos Santos defende que “os fundos europeus sejam aplicados em bons projetos e de forma eficiente para assim se gerar crescimento”. No primeiro podcast do Banco de Portugal, o Vice-Governador reconhece que as moratórias foram importantes para gerir no imediato a crise, “mas haverá um momento em que terão de cessar e aí vai ter de se pensar numa estratégia de saída”, alerta.

Cristina Bernardo

A propósito da publicação da Sinopse de Atividades de Supervisão Comportamental, o Banco de Portugal lançou o BdP Podcast, uma nova forma de comunicar com o público. No primeiro episódio, é entrevistado o Vice-Governador do Banco de Portugal, Luís Máximo dos Santos, que fala da importância das moratórias de crédito em contexto de pandemia, dos desafios que a crescente digitalização dos serviços bancários coloca à supervisão comportamental e do papel que a conta de serviços mínimos bancários tem num período de contração económica.

Dos temas abordados por Luís Máximo dos Santos, o destaque vai para “o caráter articulado da resposta à crise provocada pela pandemia”; para a “necessidade de uma estratégia de saída do regime das moratórias”; para o “reconhecimento internacional da supervisão comportamental do Banco (presidência da Finconet)”, e para a importância que atribui a que “os fundos europeus sejam aplicados em bons projetos e de forma eficiente para assim se gerar crescimento”.

Numa entrevista conduzida pelo diretor de comunicação da instituição, Luís Máximo dos Santos começou por elogiar as moratórias como “um instrumento absolutamente indispensável para lidar com a situação inédita com que fomos confrontados. Pois se elas não existissem tínhamos imediatamente uma vaga de incumprimento dos créditos e isso teria um impacto tremendo nas empresas, nos particulares e até no próprio sistema financeiro”.

“Mas não vai ser uma panaceia”, avisa o Vice-Governador. Máximo dos Santos reconhece que as moratórias foram importantes para gerir melhor a conjuntura e ganhar tempo, “mas haverá um momento em que terão de cessar e aí vai ter de se pensar numa estratégia de saída” refere.

Luís Máximo dos Santos recalls that the recovery of economic activity will not be overnight and says that it is likely that some of the beneficiaries of the moratoriums will continue to be unable to pay the credits when the moratoriums cease.

“Já há um aumento dos incumprimentos no sistema”, revela.

Mas reconhece que “pela primeira vez se conseguiu uma resposta articulada e completa por parte das autoridades. Houve medidas de política monetária (BCE); houve medidas de natureza orçamental; houve medidas de natureza macro e microprudencial; e houve medidas de natureza comportamental”. A atuação articulada foi a nível europeu, refere Máximo dos Santos, ao mesmo tempo que elogia os planos de preparação para o futuro, como o programa europeu de recuperação. Isto, na opinião do Vice-Governador do banco central, marca a diferença face às crises anteriores.

“Do ponto de vista do que era preciso fazer, as coisas foram feitas. Mas isto é só a primeira fase”, avisa. É preciso ver como é as diferentes economias vão recuperar, diz, lembrando que tem de haver uma diferente alocação de recursos. “Os programas financiados com os fundos europeus terão de ser bem gizados e ser eficientes, para produzir mais crescimento”, defende o Vice-Governador.

Máximo dos Santos defende que  “pandemia veio acelerar tendências que estavam em curso, como a digitalização, mas também está a construir um novo mundo”.

A digitalização dos serviços bancários veio dar mais relevância à supervisão comportamental. “O processo de transformação digital oferece oportunidades muitíssimo boas, mas também comporta enormes riscos”, defendeu referindo-se à segurança e comportamentos imponderados dos consumidores.

“As questões comportamentais na economia têm vindo a ganhar peso”, diz ainda o administrador do Banco de Portugal com o pelouro da supervisão comportamental.

The BdP has accompanied, with credit institutions, the launch of certain products and promotes with customers the need to ensure a thoughtful performance, he explained. Máximo dos Santos stressed the importance of digitization as an instrument of financial inclusion.

The Vice-Governor also highlighted the fact that the Director of Behavioral Supervision of Banco de Portugal was elected president of the international organization Financial Consumer Protection Organization (FinCoNet).

Regarding minimum banking services, he says that these accounts have grown, citing the report that says they grew 49,2% in June this year compared to June last year and 13,4% since the end of last year. Máximo dos Santos argues that these accounts have the potential to grow.

Read more
Recommended

Competition Court declares statute of limitations on BdP fines to former Montepio administrator

Tribunal da Concorrência declared the prescription of the infractions imputed by the supervisor to the former administrator of Montepio Rui Amaral, in a process that has already had its sentence overturned by the Tribunal da Relação and which is scheduled to start again this week.

Novo Banco launches financial aggregation service for businesses and companies

Novo Banco launched NBnetwork + to support companies' daily financial management. This service is integrated in the NBnetwork, the homebanking for business customers and companies, announces the bank in a statement.

EU Court of Justice confirms that ECB can keep confidential documents about BES

In the judgment, the Court dismisses the appeal of the Luxembourg company Espírito Santo Financial Group (one of the entities through which GES ensured control of BES) that requested the annulment of the ECB's decision of 31 August 2016, which refused partially access to certain documents related to BES decisions taken at supervisor meetings.
Comments