2017 é o ano da revolução elétrica, diz a gigante da mineração BHP

Arnoud Balhuizen, responsável comercial da BHP, uma das maiores empresas mineiras do planeta, afirma que 2017 é o ano da revolução dos veículos elétricos e que essa revolução faz do cobre o metal do futuro.

Este ano perfila-se como o de viragem para os veículos elétricos, afirma Arnoud Balhuizen, Chief Commercial Officer (CCO) da BHP, uma das principais empresas mineiras do planeta. As declarações foram feitas esta terça-feira à Reuters, altura em que o mesmo responsável afirmou que o impacto desta “revolução elétrica” se sentirá primeiro no mercado dos metais e só depois no do petróleo: “Em setembro de 2016 colocámos a questão: Poderia 2017 ser o ano da revolução dos veículos elétricos? (…) A resposta é sim. 2017 é o ano da revolução que temos vindo a prever.”

Balhuizen reconhece que o caminho a percorrer ainda é longo, uma vez que, de um total mundial de 1.100 milhões de automóveis, apenas um milhão são elétricos, mas o CCO da BHP diz que a mudança está já a acontecer e prevê que, em 2035, existam já 140 milhões de elétricos no mundo. Ainda assim, deixa algumas ressalvas: “A realidade é que um veículo elétrico do segmento médio ainda precisa de ser subsidiado para poder ser competitivo… Por isso, muito dependerá das baterias, das políticas e da infraestrutura.”

“Cobre é o metal do futuro”
Com vários analistas a afirmarem que os modelos elétricos poderão custar tanto como um modelo tradicional em poucos anos, os governos também apostam nesta mudança de paradigma, com a China a dar o exemplo com os amplos subsídios concedidos a estes modelos e o Reino Unido a ser o mais recente a dar a conhecer as suas ambições elétricas no passado mês de julho.

Por isso, Balhuizen afirma que “o cobre é o metal do futuro”. Um veículo elétrico precisa de quatro vezes mais cobre do que um com motor de combustão e os produtores estão a tentar manter-se a par com o aumento da procura, o que leva os preços a subir. Atualmente, o cobre está em máximos de três anos. As maiores minas mundiais de cobre estão envelhecidas e não há novas descobertas há duas décadas. Por isso a BHP pretende investir 2,5 mil milhões de dólares na sua operação mineira no Chile, prolongando a sua vida por mais 50 anos.

Ao contrário do que acontecerá no mercado dos metais, os elétricos não terão, para já, grande impacto no mercado petrolífero, diz Balhuizen. O CCO da BHP afirma que, nos próximos 10 ou 15 anos, serão as melhorias nos motores de combustão que terão maior impacto na procura mundial de petróleo.

Relacionadas

Carros elétricos serão catalisador de mudança em todo o mundo

Quando combinados com sistemas de condução autónoma e novas ferramentas de mobilidade, os carros elétricos levarão a mudanças de fundo em todas as áreas de negócio ligadas ao automóvel. Da petrolífera à seguradora, passando pelo retalho e mesmo pelo estacionamento.

Europcar reforça aposta na mobilidade elétrica em Portugal

A Europcar escolheu os veículos Renault Twizy para reforçar a aposta na mobilidade elétrica em Portugal.

Eletrificação gera poupança de dois mil milhões à BMW

A BMW prevê que a sua estratégia de eletrificação gere uma poupança de cerca de dois mil milhões de euros à sua conta anual de compra de componentes. A poupança será aplicada de novo na eletrificação dos modelos da casa bávara.
Recomendadas

‘Hackers’ furtam 51 milhões de euros em criptomoedas a empresa japonesa

Uma empresa japonesa que opera com criptomoedas revelou esta quinta-feira que ‘hackers’ conseguiram aceder aos seus sistemas e furtar um valor na ordem dos cerca de 6.700 milhões de ienes (51 milhões de euros).

Bastonário dos Advogados: “Só foi possível baixar quotas porque reduzimos muito as despesas”

O porta-voz dos advogados salientou ao Jornal Económico que as medidas vão além do estipulado no programa, com a criação do novo escalão. Do Dia do Advogado ao contencioso, eis onde a Ordem cortou.

Oceans Meeting 2018 começa hoje em Lisboa

Este evento vai trazer a Portugal responsáveis do setor da economia do mar oriundos de mais de 70 países e oito altos representantes de organismos internacionais como a ONU, IMO, Comissão Europeia ou UNESCO.
Comentários