22 mil precários pediram integração no Estado, estima Governo

Vieira da Silva estima que fique em cerca de 22 mil o número de trabalhadores precários do Estado que apresentaram um requerimento para solicitar a sua integração nos quadros da administração pública.

Hoje é o último dia que os trabalhadores precários do Estado têm para submeterem o requerimento para regularizarem o vínculo junto da administração pública.

Questionado pela Lusa sobre o número de pessoas que já entregaram o requerimento, o ministro do Trabalho, da Solidariedade e Segurança Social disse que os últimos dados apontam para cerca de 22.000 pessoas, mais 2 mil face aos números divulgados na quinta-feira.

“A grande maioria das pessoas solicitou a avaliação da sua situação através do sistema informático”, mas algumas situações deverão chegar “por papel” nestes últimos dias, afirmou Vieira da Silva.

Relacionadas
Precários do Estado: prazo de entrega de requerimentos termina hoje
Comissões vão avaliar situações existentes desde janeiro deste ano até à data de entrada em vigor da portaria.
“Cerca de 20 mil trabalhadores precários” solicitaram integração nos quadros
Conforme avançou hoje o Governo, foram apresentados cerca de 20 mil pedidos para integração nos quadros da administração pública.
Regularização dos precários do Estado: um bom exemplo
Este é um processo triplamente benévolo: porque pode acabar com a contratação ilegal no Estado, porque pode resultar numa redução de custos para a Administração Pública e porque pode contribuir para a melhoria dos serviços públicos.
Recomendadas
UTAO: dívida pública fixou-se em 125,8% do PIB no 2º trimestre
Dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, atingiu 246,7 milhões de euros, o que corresponde a 125,8% do Produto Interno Bruto (PIB), contra 131,7% no final de junho de 2017.
Facebook está a contratar diretor para departamento de direitos humanos
Facebook tem uma vaga para o cargo de Director of Human Rights Policy.
“Maior renda alguma vez criada em Portugal foi a extensão dos CAE”, realça ex-presidente da EDP
João Talone, que foi presidente da EDP entre 2003 e 2006, está esta tarde a ser ouvido da comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas
Comentários