365 dias de Trump: Ações norte-americanas vivem ‘rally’ desde as eleições

O ‘Trump rally’ foi impulsionado pelas promessas do republicano, que tem tido dificuldades em cumprir as bandeiras que o levaram à Casa Branca e nem a dificuldade em aprovar as propostas conseguiram refrear o entusiasmo dos mercados.

Ler mais

Há um ano, os norte-americanos acordaram com um novo presidente. Depois de uma campanha renhida, que começou com Donald Trump a parecer um candidato improvável, o republicano foi eleito. Nesse dia, o índice Dow Jones abriu em queda, mas no fim do dia, já tinha invertido a tendência.

Na altura, o Dow Jones negociava nos longínquos 18.500 pontos. Desde então, tem batido recordes sucessivos no que ficou conhecido como o ‘Trump rally’. Nos 365 dias de Trump, a valorização do índice foi de 29% e ultrapassa já os 23.500 pontos, depois de ter fechado em máximos mais de 70 vezes.

O ‘Trump rally’ foi impulsionado pelas promessas do republicano, que tem tido dificuldades em cumprir as bandeiras que o levaram à Casa Branca. Uma lei que substitua o Obamacare e a grande reforma dos impostos continuam por concretizar. No entanto, a desilusão com as propostas de Trump não tem chegado para refrear o entusiasmo dos mercados.

Tal como o Dow Jones, o índice financeiro S&P 500 não tem parado de subir e acumula já um ganho de 21,1%, enquanto o tecnológico Nasdaq disparou 30,3%, com os bancos e a tecnologia a brilharem em Wall Street.

Relacionadas
Chefe de campanha de Trump: “Ganhámos as eleições no Facebook”
Questionado sobre o que é que facilitará o trabalho da administração norte-americana em 2020, o estratega digital da campanha do presidente dos Estados Unidos, Brad Parscale, respondeu: “Continuar a tweetar”.
Família Trump poderá poupar milhões com reforma nos impostos
O ‘think tank’ Center for American Progress Action Fund alertou que a maioria dos norte-americanos não sentirão grandes alterações antes de 2025, mas que são as famílias mais ricas que vão beneficiar das mudanças.
Trump declara “dia nacional das vítimas do comunismo”
O Presidente norte-americano afirmou que “ao longo do último século, os regimes totalitários comunistas em todo o mundo mataram mais de 100 milhões de pessoas e submeterem ainda mais à exploração, violência e devastação indiscritíveis”.
Com Trump na Ásia, Wall Street abre pouco alterado
O índice tecnológico Nasdaq lidera os ganhos, depois de a agência Bloomberg ter noticiado que poderá estar a ser preparada a maior fusão de sempre no setor tecnológico.
Recomendadas
BCP e energia ajudam PSI 20 a seguir no ‘verde’
A Pharol contraria o otimismo e perde 0,98%, para 0,1818 euros, um dia depois de a ‘telecom’ brasileira Oi, da qual é acionista, realizar uma assembleia-geral extraordinária para concretizar o aumento de capital estipulado na alteração dos seus estatutos sociais.
Draghi avisa que falta de regras pan-europeias limita financiamento transfonteiriço
O presidente do Banco Central Europeu reconheceu que há diferenças legais, judiciais e culturais entre os países, que impedem a integração transfronteiriça. Mas sublinhou que há também dois importantes obstáculos na área de supervisão.
Bolsas europeias e asiáticas escapam ao impacto das novas tarifas à China
A Galp Energia, que destaca esta terça-feira o dividendo de 0,275 euros por ação, sobe 0,77%.
Comentários