41% dos telemóveis Android são vulneráveis a ataques com Wi-Fi

Os dispositivos com Android e Linux são os mais vulneráveis a ataques e os especialistas em segurança informática destacam que alterar a password não é a solução.

Kacper Pempel/Reuters

Investigadores revelaram, esta segunda-feira, que existem fragilidades no que respeita à segurança de dispositivos Android. De acordo com The Verge, os dispositivos com Android e Linux são os mais vulneráveis a ataques, embora todos os outros sistemas operativos possam também ser afetados, já que o problema se encontra no Wi-Fi.

Os “hackers” conseguem ter acesso ao tráfego Wi-Fi entre dispositivos, aceder a pontos de wireless e até modificá-los e injetar malware em websites. Os especialistas afirmam que alguns dos ataques funcionam mesmo crontra as mais modernas redes Wi-Fi, que utilizam encriptações WPA ou WPA 2. Esta vulnerabilidade parte do modelo padrão das próprias redes Wi-Fi e, por isso, afeta dispositivos macOS, Windows, iOS, Android e Linux.

No caso dos dispositivos Android, 41% estão expostos a uma “excecional e devastadora” variante de um ataque através do Wi-Fi que envolve a manipulação do tráfego. Intercetar o tráfego permite aos “hackers” a leitura de informação, precedentemente assumida como seguramente encriptada, sem necessitarem decifrar a password. Estes ataques podem resultar no roubo de números de cartões de crédito, passwords, mensagens, e-mails, fotografias e qualquer tipo de outros meios ou objetos utilizados na comunicação online.

Através do ataque Wi-Fi, os “hackers” podem conseguir injetar ransomware or malware nos websites e fazer com que os aparelhos Android precisem de patches de segurança para se autoproteger. O Google confirma que a empresa está “ciente do problema” e adianta que irá “reparar qualquer dispositivo afetado nas próximas semanas”.

Os especialistas alertam, ainda, que mesmo que os routers não exijam atualizações de segurança, o melhor será verificar diretamente com o fornecedor do aparelho.

Relacionadas

Portugal no top 15 dos países com mais computadores atacados

No primeiro semestre de 2017, 46,1% dos computadores ICS portugueses sofreram ciberataques. Portugal ocupa o 14.º lugar no top mundial de países mais suscetíveis a ataques desta natureza. 

Burlões já não roubam identidades. Criam novas para pedir créditos

O risco acresce porque os burlões utilizam as informações roubadas com os dados criados para abrir linhas de crédito, utilizando por exemplo os endereços reais de outros cidadãos quando se candidatam a cartões de crédito.

5 milhões de e-mails em risco: Deloitte alvo de ataque cibernético

Questionada pelo Guardian, a empresa confirma o ataque mas reforça que apenas um pequeno número de clientes foi afetado. O jornal afirma que na ‘nuvem’ a que os hackers tinham acesso constavam mais de cinco milhões de e-mails.
Recomendadas

Pedidos de habitação social em Lisboa atingem máximo de oito anos

Segundo dados da autarquia, vivem nos bairros municipais “cerca de 75 mil pessoas”, o que corresponde a “mais de 15% da população da cidade”. Na cidade do Porto existem mais de mil pedidos por satisfazer.

Táxis: Taxistas insistem que mantêm protesto até serem recebidos pelo Governo

Os taxistas continuam este sábado parados, pelo quarto dia consecutivo, e determinados a manter o seu protesto até serem recebidos pelo Governo, disse hoje Florêncio Almeida, da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros de Passageiros (ANTRAL).

Diretor artístico do Museu de Serralves apresenta demissão

O diretor artístico do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, João Ribas, apresentou na sexta-feira a sua demissão porque “já não tinha condições para continuar à frente da instituição”, segundo disse o próprio ao jornal Público.
Comentários