Rita Nabeiro: um brinde às voltas da vida

Habituada a estar ao volante, a CEO da Adega Mayor aceitou o nosso convite para experimentar o primeiro SUV da marca Alfa Romeo, Stelvio.

 

Rita Nabeiro coleciona quilómetros e raramente a vida lhe permite abrandar. Na bagagem, guarda histórias e aprendizagens de quem cresceu e aprendeu a ser leal, humilde e honesta. Há oito anos que lidera a empresa de vinhos de autor do Grupo Nabeiro e confessa que já houve quem lhe questionasse a sobriedade de espírito por ser neta do empresário Rui Nabeiro.
Rita não se incomoda e admite ter aprendido a lidar com os cruzamentos da vida, acreditando que representam, apenas, uma oportunidade para mudar de rota. É calma e ponderada mas vive em alta velocidade e as suas características antagónicas não poderiam assentar-lhe melhor.
Quando bebe, não conduz e o gasóleo que lhe dá ânimo é o café. Afinal, é preciso ter o depósito cheio para aguentar um dia na vida da empresária.

 

 

Este artigo foi produzido em colaboração com a Alfa Romeo.

Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda cada e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários