57% dos desempregados não recebem subsídio

O ano passado a percentagem de desempregados sem subsídio rondava os 40%. Em fevereiro deste ano havia 51,6 mil desempregados, segundos dados provisórios do INE.

Rafael Marchante/Reuters

Cerca de 292 mil dos desempregados, o que corresponde a 57%, não recebem qualquer tipo de subsídio de desemprego, noticia o Diário de Notícias.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) com os da Segurança Social, dão conta de que em fevereiro deste ano havia 510,6 mil desempregados. Este número é ainda provisório, uma vez que os resultados finais serão conhecidos a 28 de abril. No mesmo mês, a Segurança Social pagava subsídio de desemprego a 43%.

O ano passado o Governo criou uma medida extraordinária de apoio aos desempregados, com o objetivo de ajudar as pessoas com uma situação financeira mais frágil e que não reúnem as condições necessários para aceder ao subsídio. Com esta medida, a taxa de cobertura das prestações de desemprego avançou de 40% em fevereiro para 43% em abril, o que corresponde a mais 3 mil pessoas com apoio.

Relacionadas

Número de beneficiários com prestações de desemprego caiu 16%

Em março, 211.258 pessoas recebiam prestações de desemprego, revelam dados da Segurança Social.
Recomendadas

Ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa não estão asseguradas na manhã e início da tarde deste sábado

Entre as 7h25 e as 14h55, no sentido entre o Barreiro e Lisboa, e entre as 7h55 e às 15h25, no sentido contrário, as ligações não estão asseguradas, estando os horários “sujeitos a confirmação”, diz Soflusa em comunicado.

Irão anuncia captura de petroleiro britânico

Esta situação acontece no mesmo dia em Gibraltar estendeu por trinta dias o período de retenção do petroleiro iraniano Grace 1, retido há quase duas semanas neste território por suspeitas transporte de crude para a Síria.

Azeredo Lopes sabia desde o início do “encobrimento”, diz despacho do MP sobre Tancos

Segundo o despacho do MP, os procuradores do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) sustentam que, em agosto de 2017, dois meses antes do “achamento”, Azeredo Lopes teve uma reunião no Ministério da Defesa com o ex-diretor da Polícia Judiciária Militar, Luís Vieira, na qual foi informado – e deu o aval – do plano para a recuperação do material.
Comentários