Seis em cada dez alunos pagam explicações para passar a matemática

CDS-PP afirma que 30% dos alunos do 6.º ano tem negativa a matemática, o que nos casos dos alunos mais desfavorecidos sobe para 40%.

A deputado do Bloco de Esquerda Joana Mortágua afirma que 60% dos alunos pagam explicações para passar a matemática, apesar de Portugal ser dos países europeus com mais horas de aulas dedicadas a esta disciplina.

Esta afirmação foi feita no debate que levou ao Parlamento o ministro Tiago Brandão Rodrigues, a pedido do CDS.

Durante quase três horas, CDS-PP, PSD, PCP, Verdes e Bloco de Esquerda não deram tréguas ao ministro. Atrasos nos pagamentos às escolas, às famílias e às livrarias, escolas degradadas, professores descontentes – muitas foram as questões colocadas.

Duas palavras estiveram particularmente em evidência ao longo do debate: Matemática e retenção.

“A taxa de retenção no segundo ano é de 9%, o que significa que 8.000 crianças não estão a ser ensinadas a ler e a escrever, nem nos rudimentos da Matemática”. Assim começou o CDS/PP a sua Interpelação ao Governo sobre Políticas de Educação, esta tarde, no Parlamento, pela voz da deputada Ana Rita Bessa.

Os centristas apontaram igualmente outro facto relevante: 30% dos alunos do 6.º ano tem negativa a matemática, o que nos casos dos alunos mais desfavorecidos sobe para 40%.

“Seis em cada 10 alunos pagam explicações para conseguirem passar no exame de Matemática”, apontou a bloquista Joana Mortágua, acrescentando que Portugal é um dos países europeus com mais horas de aulas de Matemática. “O facto de 60% terem que recorrer a explicações deveria fazer soar campainhas”, frisou.

O PCP lançou vários temas a debate, dando particular atenção ao défice de assistentes operacionais que enfrentam as escolas. Denunciou designadamente os problemas que enfrenta a Secundária André Gouveia em Évora, que hoje interrompeu a atividade por falta de segurança e higiene, deixando 600 alunos sem aulas.

O deputado Álvaro Baptista, do PSD, abordou igualmente o tema, mas localizando-o em Castelo Branco. Disse nomeadamente que “com este governo, o agrupamento Afonso Paiva sofreu um corte de 10% no orçamento”.

Mais uma vez foi evidente que se há assunto em que esquerda e direita têm visões diametralmente opostas é este

 

Ler mais
Relacionadas

Professores endurecem posição e debatem formas de luta conjuntas

FENPROF, FNE e SIPE reúnem esta quarta-feira, 17 de janeiro, para decidir como responder face ao desentendimento com o Ministério da Educação.

Governo anuncia reforço nos quadros auxiliares das escolas

Presidente do executivo madeirense quer fechar as negociações para a contagem de anos de carreira da classe docente antes do possível acordo ao nível nacional.
Recomendadas

Presidente da União das Mutualidades nacional assume vice-presidência da União Mundial das Mutualidades

O Movimento Mutualista congrega cerca de uma centena de mutualidades, abrangendo dois milhões e meio de beneficiários, o equivalente a um quarto da população portuguesa. A proteção social, saúde, educação, ação social, turismo e lazer, caixas económicas, secções fúnebres, formação profissional, artes e cultura são áreas em que o Mutualismo atua.

PJ detém português suspeito de colaborar com o Estado Islâmico

O suspeito estava radicado no Reino Unido, de onde prestava apoio a combatentes da organização terrorista conhecida como Daesh.

Médicos enviam pré-aviso de greve para 3 de julho

A Federação Nacional dos Médicos convocou uma paralisação e uma concentração de médicos para esse dia.
Comentários