72 milhões de euros: Municípios vão receber 7,5% do IVA cobrado em serviços essenciais

Com um voto contra, o conselho diretivo da ANMP aprovou esta terça-feira as propostas já negociadas com o Executivo de António Costa no âmbito do processo de descentralização e da nova Lei das Finanças Locais.

Ler mais

As autarquias irão receber 7,5% das receitas do Imposto de Valor Acrescentado (IVA) cobrado em serviços essenciais como água ou luz, segundo o acordo alcançado esta terça-feira entre a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e o Governo, que põe fim ao processo negocial sobre descentralização e finanças locais.

O montante recebido deverá ascender aos 72 milhões de euros, segundo os cálculos da associação. Com um voto contra, o conselho diretivo da ANMP aprovou esta terça-feira as propostas já negociadas com o Executivo de António Costa no âmbito do processo de descentralização e da nova Lei das Finanças Locais.

Foi, assim, decidida a “alocação aos municípios da participação de 7,5% na receita do IVA cobrado em serviços essenciais, como comunicações, eletricidade, água e gás, bem como nos setores do alojamento e da restauração, no ano económico de 2020”, explicou a direção da associação, em comunicado.

“Recordamos que, no início das negociações, previa-se uma participação dos municípios em 5% desta receita enquanto agora será de 7,5%, ou seja, passa de 48 milhões de euros para 72 milhões de euros)”, acrescentou.

Municípios garantem reforço de dois a 10% das verbas e fecham descentralização e finanças locais

Relacionadas

Municípios garantem reforço de dois a 10% das verbas e fecham descentralização e finanças locais

Relativamente às finanças locais, “fica assegurado um crescimento entre dois e 10% em praticamente 100% dos municípios”, disse aos jornalistas o presidente da ANMP, o socialista Manuel Machado.
Recomendadas

Conheça as dicas do Portal da Queixa para comprar online de forma segura

Esteja sempre atento ao extrato do seu banco para confirmar se os valores debitados correspondem ao valor que gastou nas suas compras online.

Isenção fiscal à McDonald’s no Luxemburgo é legal, diz Bruxelas 

Após uma investigação aprofundada iniciada em dezembro de 2015 sobre isenções de imposto concedidas em 2009 a parte dos lucros da McDonald’s, a Comissão Europeia concluiu que o regime não viola o acordo sobre a dupla tributação celebrado entre o Luxemburgo e os Estados Unidos.

Um em cada dois pagamentos na Europa já são ‘contactless’

Em Portugal, o número de transações ‘contactless’ duplicou de 2017 para 2018, o que demonstra a adesão dos consumidores às novas tecnologias, consideradas mais seguras e convenientes.
Comentários