44% dos portugueses já escolhe investimento sustentável

O investimento sustentável ganha relevância entre os portugueses e os gestores de ativos têm um papel fundamental, tanto na criação como na partilha de soluções capazes de gerar valor sustentável – económico, ambiental e social.

MUMEMORIES

Aumento da temperatura, degelo, subida do nível do mar ou fenómenos atmosféricos extremos são alguns dos temas que mais têm contribuído para colocar o investimento sustentável entre as prioridades de parte significativa dos gestores e investidores, que hoje a encaram como mais do que uma buzzword, não apenas na vertente ambiental, mas também social e de gestão, com questões como o “clima interno das empresas” e a transparência no “governo das sociedades” a ganhar peso crescente.

Esta realidade é já considerada por mais de 40% dos investidores portugueses e para a mesma percentagem de europeus, releva o Schroders Global Investor Study 2020, um estudo que auscultou mais de 23 mil pessoas que efetuam investimentos regularmente, em 32 países e territórios por todo o mundo.

44% dos portugueses já investe em fundos de investimento sustentável, um pouco mais do que em 2018 (41%) e a principal razão relaciona-se com o “impacto ambiental” (37% de respostas). A probabilidade destes fundos proporcionarem retornos superiores é o segundo motivo mais apontado (34%), a comprovar que para mais de um terço dos investidores sustentabilidade e rentabilidade são já objetivos conciliáveis.

Investimento sustentável: três áreas prioritárias para gestores de ativos

Neste sentido, os gestores de ativos têm um papel central na construção de soluções e opções de investimento que prossigam retornos apetecíveis e simultaneamente sustentáveis em termos Ambientais, Sociais e de Gestão (ESG – Environmental, Social and Governance).

Nesta sua missão, destacam-se três grandes vertentes:

1. Construção de carteiras sustentáveis – selecionando ações de empresas com estratégias de ESG corretas (excluindo as que correm riscos excessivos por não as cumprirem), influenciando as empresas onde investem para a adoção de comportamentos sustentáveis de longo prazo e exercendo o seu direito de voto enquanto acionista interessado na gestão sustentável e sólida do negócio.

97% dos investimentos feitos pela Schroders já seguem critérios ESG e a gestora de ativos está a trabalhar para alcançar 100% até final de 2020. Este compromisso constitui uma garantia de que a sustentabilidade é transversal a todos os fundos de investimento que disponibiliza.

2. Oferta de fundos orientados à sustentabilidade –  capazes de potenciar os benefícios que resultam da atividade das empresas e setores melhor posicionados nos temas centrais de sustentabilidade, sejam eles mitigar os efeitos das alterações climáticas, promover a transição para uma economia de baixo carbono ou atuar noutros setores que perspetivem valor sustentável a longo prazo – substitutos dos plásticos por exemplo -, como o Schroder ISF* Global Climate Change Equity.

3. Partilha de informação e aconselhamento especializado – que permita aos investidores uma escolha mais esclarecida. Este é um aspeto particularmente relevante se tivermos em conta outra das conclusões apontadas pelo Schroders Global Investor Study 2020: que perto de metade dos investidores portuguese (48%) referem só ter informações sobre investimento sustentável por parte os seus consultores financeiros se estas lhes forem solicitadas.

A falta de informação parece continuar a condicionar parte das opções pelo investimento sustentável, com 93% dos inquiridos a assumir que necessita de mais dados para perceber os critérios que levam uma empresa a ser considerada “sustentável” e a confiar que o seja.

 

* Schroders International Selection Fund é referido no artigo pela sigla ISF. A menção ao fundo de investimento é feita para fins informativos e não constitui recomendação de subscrição nem de compra ou venda de ativos. O desempenho passado não constitui garantia de rendibilidade futura e poderá não se repetir.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Schroders.

Ler mais
Recomendadas

Assista amanhã à JE editors Talks: Fundos Europeus

Saiba como serão atribuídos os fundos europeus previstos para 2021 e como podem as empresas portuguesas ter acesso aos mesmos, nesta conversa em direto, esta quinta-feira, às 17h00.

Assista aqui à JE editors Talks: Brokers e o Seguro de Vida nos últimos 35 Anos

Descubra como evoluiu o mercado dos seguros de vida em Portugal desde a chegada da primeira companhia de seguros estrangeira até aos nossos dias.

Assista aqui à JE editors Talks: O futuro do emprego

Estamos a viver tempos atípicos e desafiantes. O futuro do emprego é um tema sensível e é necessário ter uma visão mais nítida sobre o que podemos esperar do mercado profissional nos próximos tempos.
Comentários