A cada passo de Trump, um trambolhão do dólar

A moeda norte-americana foi mais uma vez penalizada pelas decisões do presidente dos EUA. O novo diretor de comunicação da Casa Branca ficou no cargo dez dias.

Ler mais

O dólar tem andado, desde o início do ano, a reboque das ações de Donald Trump. De cada vez que o presidente dos EUA faz anúncios ou críticas no Twitter, a divisa norte-americana é penalizada e conta já com uma depreciação de 12% face ao euro desde janeiro. Esta segunda-feira foi o despedimento do diretor de comunicação (que tinha sido nomeado há apenas dez dias).

Trump sempre fez questão de dizer desde a campanha eleitoral que queria impulsionar os mercados acionistas e assim tem sido, com as bolsas norte-americanas a ultrapassarem sucessivos máximos. Mas se o Trump rally chega às ações, o mesmo não acontece com a moeda.

A explicação poderá estar relacionada com a incerteza sobre qual será o próximo passo do presidente dos EUA. “A beleza do mercado cambial é que tem um preço relativo. Consegue dizer como é que um país é visto em relação a qualquer outro país”, explica a chefe de estratégia cambial do Credit Suisse, Shahab Jalinoos, em declarações à Bloomberg.

O diretor de comunicação da Casa Branca, Anthony Scaramucci, foi demitido do cargo que ocupou há dez dias, segundo noticiou esta segunda-feira o The New York Times. Esta terá sido a conclusão lógica de um processo que nunca foi bem aceite pelo staff da Casa Branca e que, de acordo com alguns membros da administração Trump, ainda veio tornar mais caótica a situação junto do presidente.

Logo a seguir ao anúncio, o dólar acentuou a queda diária face às pares europeia, britânica e japonesa. A moeda norte-americana segue a depreciar-se 0,7% para 0,84 euros, 0,46% para 0,75 libras e 0,35% para 110.2 ienes.

No final da semana passada, o novo porta-voz da Casa Branca tinha estado envolvido numa polémica devido ao uso de palavras obscenas. Num ataque direto a dois membros da Administração Trump, levou a imprensa norte-americana a falar numa “guerra civil” dentro da equipa que acompanha o presidente dos Estados Unidos.

Até ao momento, não se sabe se Anthony Scaramucci vai deixar a Casa Branca, pelo que a sua continuidade com outras funções ainda é possível. Independentemente do resultado do despedimento, o presságio para o dólar poderá não ser o melhor.

“Vamos continuar a assistir a um contínuo enfraquecimento do dólar”, diz a estrategista de mercados globais da Invesco, Kristina Hooper. “É de um voto de confiança ou de falta de confiança que é dado à economia dos EUA”.

Relacionadas

Durou dez dias nas ‘mãos’ de Trump: Diretor de comunicação despedido

Anthony Scaramucci era o responsável de comunicação da Casa Branca há dez dias. Presidente não aguentou a sua personalidade errática e demitiu-o.

Críticas obscenas do recém-nomeado porta-voz de Trump geram “guerra civil” na Casa Branca

Anthony Scaramucci teceu comentários obscenos face ao trabalho do chefe de gabinete da Casa Branca, Reince Priebus, e do principal conselheiro da Casa Branca, Steve Bannon, convidando-os a se retirarem do cargo e fazendo estalar o verniz na relação entre os membros da Administração Trump.

Trump admite avançar com novas sanções à Rússia. UE está preocupada

O novo pacote legislativo acordado entre os líderes congressistas democratas e republicanos está a deixar Donald Trump sem margem para manobra. Bruxelas considera que com a implementação das sanções ao Kremlin pode comprometer interesses europeus.

Quem é Scaramucci, o homem que levou Sean Spicer a demitir-se

Scaramucci começou a sua carreira na Goldman Schachs, onde trabalhou desde 1989 até 1996, com funções em áreas como investment banking, equities and private wealth management. Em 2005 fundou a SkyBridge Capital, uma empresa de investimento alternativo.

Número 2 da Casa Branca pressiona Trump a carregar nos impostos sobre os mais ricos

Steve Bannon defende uma nova taxa de imposto marginal máxima de 44% sobre as famílias mais abastadas. Atualmente a taxa máxima de impostos fixa-se nos 39,6%, o que faz desta proposta o valor mais alto dos últimos trinta anos.
Recomendadas

Farfetch vai ao teste da bolsa com sombra do prejuízo

Tecnológica luso-britânica entra esta sexta-feira na New York Stock Exchange com uma avaliação entre 4,9 e 5,5 mil milhões de dólares.

IPO: Farfetch encaixa 750 milhões com preço das ações acima do esperado

Ações começam a ser negociadas esta sexta-feira na bolsa de Nova Iorque. Na oferta inicial, foram vendidos mais de 44 milhões de títulos a 20 dólares cada, enquanto o preço estimado pela empresa estava entre os 17 e os 19 dólares.

Gestão passiva prejudica o investimento em valor

Ao contrário dos momentos em que a ações sobem, estamos perante um contexto em que se pode estar fortemente investido na bolsa de Nova Iorque, de forma diversificada, e perder dinheiro.
Comentários