A cair há oito meses: popularidade de Marcelo ao pior nível de sempre

Barómetro da Aximage regista descida da popularidade do Presidente da República. O índice foi elaborado antes do polémico episódio do telefonema para um programa de entretenimento da apresentadora Cristina Ferreira.

Rodrigo Antunes / Lusa

A popularidade do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa está a cair há oito meses consecutivos segundo o barómetro político da Aximage, elaborado para o Jornal de Negócios e o Correio da Manhã: numa escala de um a 20, o chefe de Estado surge em janeiro com a nota de 15,9, a pior de sempre.

O ciclo de declínio começou em maio de 2018, numa altura em que Marcelo Rebelo de Sousa registava uma nota de 18,3 pontos, não tendo parado de descer desde então – movimento que, segundo o barómetro, se acentuou no mês anterior.

Segundo os responsáveis da sondagem, a notação agora dada a conhecer não incorpora ainda a avaliação da polémica em que Marcelo Rebelo de Sousa se viu envolvido quando telefonou em direto para apresentadora da SIC Cristina Ferreira. Será de recordar que o telefonema foi alvo de inúmeras críticas e as redes sociais encheram-se de comentários e vídeos jocosos gozando com a situação.

Mesmo os comentadores ditos ‘sérios’ não perdoaram a decisão de Marcelo, principalmente depois de o gabinete do Presidente ter feito circular uma espécie de esclarecimento em que afirmava que o telefonema se devia a uma qualquer questão de equidade para com outro programa semelhante, emitido por outro canal televisivo.

Entretanto, o barómetro político de janeiro regista que a da intenção de voto no PSD baixa de 24,7% para 24,1% e a do líder social-democrata, Rui Rio, mantém a nota, muito negativa, de 6,4, a mais baixa entre os líderes dos principais partidos políticos.

Ao contrário, o primeiro-ministro António Costa (10,2) recupera a posição de líder partidário com melhor avaliação, estatuto que tinha perdido em dezembro para Catarina Martins (9,8) e Jerónimo de Sousa (9,6). Assunção Cristas, líder do CDS, é classificada com um 7,7.

Na intenção de voto, o PS continua a liderar destacado, tendo registado mesmo uma subida face a dezembro: dos 37% para 37,7%. O CDS (de 8,7% para 9,4%) e o PCP (de 6,3% para 7,2%) são os outros partidos que obtêm uma melhoria no período em análise. O Bloco de Esquerda, que cai dos 10% para 8,8%.

Quanto à avaliação dos ministros, Mário Centeno (Finanças), lidera destacado, sendo indicado como o melhor por 44% dos inquiridos. No segundo lugar surge o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, com 6,9%.

Ler mais
Relacionadas

O “Marcelismo”

A redução do discurso político à exploração de emoções retira-lhe qualquer vestígio de racionalidade, argumentação ou sentido, e abre caminho ao sucesso de demagogos e populistas.

Marcelo aposentou-se mas vai apenas receber salário de Presidente

“Vou continuar a receber o vencimento de Presidente da República. Não estou a exercer funções como pensionista. Em qualquer caso, escolheria sempre o ordenado de Presidente. Mas a lei não permite [optar nem acumular os dois]”, afirmou o próprio chefe de Estado à agência Lusa.
Recomendadas

Marques Mendes garante que Paulo Rangel é o escolhido de Rui Rio para se candidatar às europeias

Para além dessa novidade, Marques Mendes comentou a mediática prisão de Armando Vara dizendo que “é apenas uma ponta do icebergue de uma rede muito poderosa que durante 20 anos, ou mais, existiu em Portugal”. O comentador aponta culpas à sua nomeação para a CGD e BCP, não apenas a Sócrates, mas a Vítor Constâncio, então Governador do Banco de Portugal.

Rui Rio diz que o Governo socialista engana permanentemente os portugueses

“O grande engano é quando nos vendem uma situação económica de quase milagre económico e depois todos descobrimos que não pode fazer isto e aquilo porque não têm meios”, disse Rui Rio, no encerramento do XVII Congresso do PSD/Madeira, no Funchal, em que Miguel Albuquerque foi reeleito presidente.

Santana Lopes quer mais do que seis ou sete deputados do Aliança e “coligação à direita” pós-eleitoral

Em entrevista ao “Diário de Notícias” e TSF, o líder do Aliança defende que “uma coligação à direita é a única forma de retirar a esquerda do poder”. Questionado sobre se eleger seis ou setes deputados seria um bom resultado para o novo partido, Santana Lopes assume que é “ambicioso” e quer “mais”. Objetivo essencial é garantir que “o centro-direita consiga ter os tais 115 + 1 deputados”.
Comentários