Premium“A Fidelidade passou a ser uma multinacional com entrada na América Latina”

A compra de 51% da peruana La Positiva é uma inflexão estratégica que vai obrigar a seguradora portuguesa a pensar de forma global, sublinha o CEO.

Líder de mercado e com pouco espaço de crescimento em Portugal, a Fidelidade virou a atenção para a América Latina e escolheu o Peru, onde concluiu a aquisição do controlo da La Positiva, por 93 milhões de euros. Jorge Magalhães Correia, CEO da seguradora portuguesa detida pela chinesa Fosun, explicou ao Jornal Económico, em Lima, o racional da operação, o apoio da Fosun e os planos de expansão na América Latina e outras regiões.

Qual é o racional desta compra? Portugal tornou-se um bocado ‘pequeno’ para a Fidelidade?

O nosso plano estratégico tem vindo a evoluir em determinadas áreas, mas na essência mantém-se inalterado desde 2014. Está assente em três pilares. Um é o mercado interno de inovação, porque na medida em que o estado social tem que recuar um pouco isso abre-nos campos novos como a educação, a saúde e as reformas. O segundo é o pilar internacional e o terceiro é o pilar financeiro, que tem a ver com o robustecimento de capitais. O pilar internacional porquê? Num mercado muito competitivo como é o português, é muito difícil sustentar crescimento numa empresa que tem mais de 30% de quota de mercado e é líder em todos os canais, em todos os ramos de negócio. O facto é que se tivéssemos uma área em que estivéssemos francamente abaixo do nosso standard, teríamos potencial de desenvolvimento, mas somos número um em todos os critérios.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Fidelidade conclui compra de 51% da peruana La Positiva por 93,5 milhões de euros

A conclusão da OPA marca a entrada da seguradora portuguesa no mercado latino-americano, com a compra de uma posição maioritária no quarto maior grupo do setor segurador no Peru. A La Positiva tem uma quota de mercado de 11% e prémios superiores aos 500 milhões de dólares.

“Agora temos mais clientes que falam espanhol do que português”, diz CEO da Fidelidade

“Apoiados pelos nossos acionistas, em especial a Fosun, decidimos crescer fora das nossas fronteiras e desde o primeiro momento fixamo-nos nos países na America Latina, e em especial o Peru”, afirmou Jorge Magalhães Correia aos jornalistas, em Lima, após a conclusão da compra da posição maioritária na La Positiva por cerca de 93,5 milhões de euros.
Recomendadas

Novo programa do BCE de financiamento (TLTRO III) é benéfico para banca europeia, diz DBRS

A DBRS espera que os bancos em Itália e Espanha e, em menor escala, em Portugal, utilizem esta fonte de financiamento nos próximos dois anos para substituir o seu financiamento TLTRO II e prolongar a maturidade do seu financiamento junto do BCE.

Pedro Neves não vê “nexo causal” entre financiamento da CGD aos acionistas do BCP e ida de dois administradores para o banco privado

“O Banco de Portugal teve sempre uma posição de independência em relação às partes envolvidas na guerra do BCP”, disse Pedro Duarte Neves. “Mas a CGD estava a financiar um dos lados [do conflito]?”, confrontou um deputado. A isto Pedro Neves respondeu: “o crédito veio da CGD, mas podia ter vindo de outro banco”. O ex-vice-Governador disse que não houve violação da norma de concentração de risco a uma única entidade.

Berardo “incrédulo com falta de memória” de Constâncio

Este comentário surge depois de o ex-governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, que esteve a ser ouvido pela segunda vez no Parlamento sobre a recapitalização da CGD, ter negado que se tenha reunido sozinho com o empresário madeirense.
Comentários