A importância da formação complementar

A Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa construiu cinco programas de Mestrado, orientados para o exercício profissional, assegurados por um corpo docente maioritariamente constituído por profissionais com elevada experiência académica e prática.

Consciente da importância que a formação complementar oferecida nos seus Mestrados e LL.M. tem para os jovens juristas que pretendem iniciar a sua vida profissional, a Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa construiu cinco programas de Mestrado.

O Mestrado em Direito Administrativo assegura uma formação sólida nas principais áreas do Direito Administrativo e oferece um conjunto de unidades curriculares nas áreas da contratação pública, ambiente, urbanismo e energia, vocacionadas para quem tenha interesse em ampliar os seus conhecimentos em domínios de ponta e com grande atualidade.

O Mestrado Forense visa o aprofundamento de competências relevantes para quem pensa especializar-se em contencioso e arbitragem. Conta com um leque muito diversificado de disciplinas em três domínios distintos: Direito e Processo do Trabalho, Direito e Processo Penal e Direito e Processo Civil. É também o Mestrado ideal para aqueles que pretendem candidatar-se ao Centro de Estudos Judiciários.

O Mestrado em Direito Empresarial proporciona um conhecimento alargado das organizações empresariais e do mercado, apresentando uma especial incidência no estudo do direito das sociedades comerciais.

Através de disciplinas lecionadas em português e inglês, no Mestrado em Direito Fiscal, os alunos têm a possibilidade de estudar um conjunto de matérias essenciais a quem pretenda trabalhar a fiscalidade no dia-a-dia.

O Mestrado em Direito e Gestão, promovido pela Escola de Lisboa da Faculdade de Direito e pela Católica-Lisbon School of Business and Economics, complementa a formação dos juristas, dotando-os de conhecimentos sólidos de Gestão e permitindo-lhes o aprofundamento dos conhecimentos de Direito.

A Católica Global School of Law oferece três programas de LL.M., que permitem obter o grau de mestre em direito transnacional e são integralmente lecionados em inglês por um corpo docente composto na sua maioria por docentes internacionais de renome.

O Law in a European and Global Context é um programa único e altamente inovador em termos pedagógicos (total law approach), que se dirige a recém-licenciados e procura dar-lhes uma formação de base sólida sobre a prática do Direito numa escala global. Por isso, para além de disciplinas próprias de direito Internacional e da União Europeia e dos soft skills labs, o programa ainda permite formar os alunos para a prática profissional global e transnacional em qualquer domínio do Direito.

O International Business Law é um dos poucos programas dirigidos a jovens licenciados que procuram uma prática de advocacia internacional em direito dos negócios. Por isso, para além de um conjunto robusto de soft skills labs, o programa tem uma abordagem anglo-saxónica e transnacional em relação a temas como o direito dos contratos, a arbitragem comercial e de investimento, a governação societária, o tax design, entre outros.

Por fim, o Law in a Digital Economy dirige-se a quem compreende o desenvolvimento tecnológico não apenas como um desafio, mas também como uma oportunidade. Por isso, está desenhado para assegurar formação jurídica sobre o impacto e o funcionamento das novas tecnologias, bem como sobre a progressiva digitalização da vida económica, social e cultural. Por essa razão, ao lado das disciplinas eminentemente jurídicas e dos soft skills labs, o programa inclui ainda um pre-LL.M. bootcamp sobre informática para juristas.

Muitos finalistas têm dúvidas quanto à opção que deverão tomar depois de concluírem a sua licenciatura em Direito. Muitos questionam se devem iniciar imediatamente um estágio profissional ou se devem complementar a sua formação através da realização de um Mestrado ou de um programa de LL.M. A resposta não é difícil. De acordo com um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos divulgado no final de 2017, “a formação pós-graduada, mais concretamente um mestrado, continuou a ser garantia de salários mais elevados do que os auferidos pela generalidade dos profissionais detentores de uma licenciatura, mesmo nos anos da crise”.

Esta conclusão vem ao encontro do que é a nossa experiência. De forma a aperfeiçoarmos os nossos programas, todos os anos consultamos os principais recrutadores sobre o perfil dos advogados estagiários contratados. Nesse quadro verificamos, ano após ano, a preferência por juristas que tenham realizado um Mestrado. Em 2019, 60% dos advogados-estagiários recrutados era detentor de um Mestrado. Desses, 50% fez o seu Mestrado na Escola de Lisboa da FD UCP (1).

Esta é a derradeira prova de que o mercado confia nos métodos de ensino inovadores em que se valoriza fortemente a participação dos alunos no processo de aprendizagem e na elevada exigência imposta ao longo de todo o percurso académico.

Os anos de 2020/2021 corresponderão a tempos de exceção, ainda mais exigentes para os jovens juristas. Acreditamos que, mais do que nunca, a especialização em áreas inovadoras onde se prevê um crescimento de oportunidade de carreira é fundamental para garantir a sua empregabilidade.

Todos os anos, nos meses de abril e maio, reunimos na Universidade Católica Portuguesa estudantes e coordenadores dos nossos programas de mestrado orientados para o exercício profissional e LL.M. para apresentar novidades, esclarecer dúvidas e promover o contacto entre os nossos futuros alunos e patrocinadores.

Apesar das circunstâncias que todos conhecemos, este ano não é exceção. Em face do enorme interesse que continua a ser manifestado por candidatos oriundos das várias universidades portuguesas, decidimos agendar para o dia 21 de abril o primeiro Open Day Digital da nossa história. A forma como chegamos aos nossos candidatos será naturalmente diferente, mas igualmente próxima.

Convidamos, por esse motivo, o os estudantes de todas as faculdades de direito do país a juntarem-se a nós neste Open Day Digital.

 

(1) Fonte: inquérito realizado às entidades que participaram no JobShop em novembro de 2019.

 

Este conteúdo foi produzido em colaboração com Ana Taveira da Fonseca, Vice-Diretora da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da UCP e Coordenadora do 2º Ciclo e Armando Rocha, Vice-Diretor da Católica Global School of Law.

Ler mais
Recomendadas

Altice investe dez milhões de euros na expansão da rede de fibra ótica em dez municípios

Atualmente, a rede de fibra ótica da Altice serve mais de 5,1 milhões de lares e empresas, mas o objetivo da operadora é chegar às 5,3 milhões de habitações. O objetivo passa por tornar Portugal “num dos primeiro países europeus com cobertura integral de fibra ótica”.

Uber só aceita carros elétricos a partir de 16 de julho

Uber quer acelerar eletrificação da frota de automóveis disponibilizados na plataforma. Para já, medida será aplicada aos novos veículos que se registem na plataforma nas áreas de Lisboa, Porto, Braga e Faro, nos serviços UberX, o principal da empresa, e Uber Comfort. Já nos serviços Black e XL, a empresa vai continuar a permitir a inscrição de veículos a gasóleo ou gasolina na sua plataforma, mas somente se substituírem um veículo já registado.

Retrato: 10 números que ilustram a delicada situação que a TAP vive

A pandemia da Covid-19 mudou o destino da companhia aérea portuguesa. Os vários cenários em cima da mesa neste momento apontam para a possibilidade de nacionalização, conforme já avisou o Governo, ou para a saída de um dos acionistas privados da empresa, David Neeleman. Estes 10 números ajudam a compreender a delicada situação que a transportadora aérea vive.
Comentários