A mensagem de Marcelo

A chamada de atenção sobre o cumprimento das missões do Estado constitui o ponto mais relevante da mensagem do Presidente. O Estado existe para nos servir, a nós, cidadãos, assegurando direitos fundamentais. É isso, e apenas isso, que justifica a sua existência e não a satisfação de interesses particulares, sejam eles empresariais, corporativos, sindicais ou partidários.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fez ontem um discurso lúcido e realista sobre o que 2017 significou para Portugal. Um ano que ficou marcado por sucessos surpreendentes a vários níveis, incluindo na frente económica, mas que fica para a História pela horrível tragédia que tirou a vida a mais de cem pessoas.

Marcelo chamou a atenção para a necessidade de, face ao sucedido, conseguirmos “reinventar o futuro”, convertendo a tragédia em “razão mobilizadora de mudança, para que não subsistam como irremediável fracasso”. Para tal, frisou, é preciso “ter a certeza de que, nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham”.

Esta chamada de atenção sobre o cumprimento das missões do Estado constitui o ponto mais relevante da mensagem do Presidente. O Estado não pode falhar na proteção dos cidadãos. Não podem existir portugueses de primeira e de segunda, nem continuar a existir “Portugais esquecidos”.

O Estado não existe para pagar salários a funcionários públicos, alimentar corporações ou contratar bens e serviços a fornecedores. Pelo contrário, o Estado existe para nos servir, a nós, cidadãos, assegurando os nossos direitos fundamentais. É isso, e apenas isso, que justifica a sua existência e não a satisfação de interesses particulares, sejam eles empresariais, corporativos, sindicais ou partidários.

Recolocar o foco do Estado naquelas que devem ser as suas missões essenciais, ao serviço dos cidadãos, é um bom objetivo nacional para o ano que agora se inicia.

Em nome de toda a equipa do Jornal Económico, desejo um excelente 2018 para os nossos leitores, parceiros e anunciantes. Que seja um ano de concretização de sonhos e projetos. Um ano de consolidação e de crescimento pessoal e profissional para todos.

Recomendadas

O país do futuro?

A democracia brasileira prepara-se para eleger alguém que chamou “uma porcaria” à própria democracia e que tudo fará para a eliminar e restaurar um regime ditatorial.

A falácia da desigualdade

Os empregos não importam no número, importam na qualidade da retribuição, daí que prefira 50 postos de trabalho a ganhar 2.500 euros/mês do que 500 a receber 600 euros/mês.

Em prol da segurança

O facto das forças de segurança estarem a perder competitividade face ao mercado, significa menos polícias, menos segurança e menos qualidade no serviço prestado.
Comentários