“A minha tarefa como presidente do Eurogrupo deverá ser complementar a União Bancária”, diz Centeno

Mário Centeno vestiu não só a pele de ministro das finanças de Portugal mas sobretudo de presidente do Eurogrupo para, num auditório cheio de alunos, reconhecer que a Europa “não estava preparada” para a crise e para os desafios que se insurgiram na sua sequência. “A crise expôs as vulneravilidades da zona euro”, reconheceu.

Dez anos depois do início da crise económica, o ministro das finanças e presidente do Eurogrupo não tem dúvidas: “não apenas devemos fazer mais, como devemos terminar o que começámos com a crise”. Mário Centeno fez um balanço das lições retiradas da crise que teve como marco a queda do Lehman Brothers, numa conversa esta segunda-feira na Universidade Católica, em Lisboa, no âmbito do Dean’s Speaker Series.
Mário Centeno vestiu não só a pele de ministro das finanças de Portugal mas sobretudo de presidente do Eurogrupo para, num auditório cheio de alunos, reconhecer que a Europa “não estava preparada” para a crise e para os desafios que se insurgiram na sua sequência. “A crise expôs as vulneravilidades da zona euro”, reconheceu.
É precisamente este legado que Centeno não quer levar para o futuro e para tal, o caminho será, assegurou, “aprofundar a União Económica e Monetária (UEM)”.
“Estamos atualmente a discutir o aprofundamento da união bancária. A minha principal tarefa como presidente do Eurogrupo deverá ser essa, complementar a União Bancária”, disse. Na mensagem do presidente do Eurogrupo ficou claro que a reforma da zona euro deve ser uma prioridade, reforçando mais uma vez a mensagem que tem vindo a defender. “Instituições incompletas irão dar resultados incompletos”, defendeu.
Considerou que a União Europeia atravessa um momento “único”, de que a saída da Grécia do programa de ajustamento é um exemplo. “Em oito anos esta é a primeira vez em que não temos na agenda das reuniões do Eurogrupo, o programa de ajustamento de um país”, salientou.
Centeno apontou ainda a importância da recuperação na banca, realçando a necessidade da redução do crédito mal parado para “abandonar o legado deixado pela crise”.
“A dívida portuguesa não está a seguir Itália”

O ministro das Finanças explicou ainda que a dívida pública portuguesa não é afetada pela desconfiança dos mercados face a Itália e afirmou acreditar que a pressão sobre aquele país diminuirá quando for conhecida a proposta orçamental para 2019.

“A boa coisa da dívida portuguesa por estes dias é que não está a seguir Itália”, defendeu em resposta à questão de uma estudante, acrescentando ser “um bom sinal de como os mercados avaliam a dívida portuguesa”.

O governante destacou que os juros da dívida portuguesa estão mais próximos dos da Alemanha e de Espanha do que dos de Itália.

Contudo, o também presidente do Eurogrupo disse ainda acreditar que a pressão dos mercados sobre Itália irá diminuir quando forem conhecidos os planos orçamentais do Governo italiano para 2019.

A dívida de Itália esteve sob pressão nas últimas semanas, com aumentos de juros no mercado secundário, perante informações de que poderiam ser postos em causa compromissos europeus sobre finanças públicas com um orçamento com aumento de despesas.

* Com Lusa

Ler mais
Relacionadas

Lehman Brothers: “BES foi um efeito retardado”, realça Teixeira dos Santos

Tal como nos EUA, a banca sucumbiu, por toda a Europa, ao contágio da queda da histórica instituição. Em Portugal, o BPN foi uma vítima direta e o BES, indireta, segundo Fernando Teixeira dos Santos, então ministro das Finanças.

Teixeira dos Santos e a queda do Lehman Brothers: Governo foi apanhado de “surpresa”

O economista e atual presidente do Eurobic liderava o Ministério das Finanças quando o Lehman Brothers desmoronou, apanhando-o de surpresa. O que se seguiu foi o medo do contágio, que o levou a garantir que os depósitos dos portugueses estavam seguros.

Lehman Brothers: Há dez anos, quebrou-se o mito do ‘too big to fail’

Setembro de 2018 marca o décimo aniversário da maior falência da história. O colapso do banco foi como uma pedrada no charco do sistema financeiro.
Recomendadas

PremiumExportações de vinhos deverão exceder 800 milhões de euros

Vendas de vinho nacional no estrangeiro cresceram 6% até junho, tendo Portugal obtido as maiores taxas de crescimento em diversos mercados.

Governo ouve portugueses sobre desafios na África do Sul

José Luís Carneiro disse à agência Lusa que, na terceira visita à África do Sul, de hoje a sábado e na segunda-feira, “o primeiro grande objetivo é a auscultação dos representantes de todos os movimentos culturais, sociais e económicos na África do Sul, dado que o país vive também desafios importantes”.

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.
Comentários