A partir de junho vem aí uma nova gama de NIF. Começa por 3

A AT tem vindo a atribuir números de Identificação fiscal (NIF) da gama 2 aos contribuintes singulares, mas a partir de junho os novos NIF para cidadãos nacionais ou estrangeiros vão passar a ter um novo primeiro dígito: começa por 3 a sequência de nove números, obrigando à adaptação dos sistemas informáticos por parte de todas as entidades que utilizem o NIF. É o caso de comerciantes, bancos, empresas, contabilistas, entre outros.

A Autoridade Tributária (AT) revela que vai começar a atribuir em breve uma nova gama do número de identificação fiscal (NIF) às pessoas singulares, sejam cidadãos nacionais ou estrangeiros. Em causa estão NIF da gama 3, que começarão a ser atribuídos pela Administração Fiscal a partir de junho deste ano. Todas as entidades em que exista a necessidade de colocar o NIF como é o caso de comerciantes, contabilistas, bancos, e empresas que processam salários, terão de adaptar os respetivos programas informáticos.

A atribuição de uma nova gama de NIF consta de uma nota informativa da AT, publicada nesta segunda-feira, 8 de abril, no Portal da AT, onde a Direção de Serviços de Registo de Contribuintes começa por dar conta de que “atualmente, a AT tem vindo a atribuir NIF da gama 2 aos contribuintes singulares” e que “é expectável que a AT comece, brevemente (junho ou julho do corrente ano), a atribuir NIF´s da gama 3”.

Recorde-se que tanto o NIF como NIPC (Número de Identificação de Pessoa Colectiva) são constituídos por nove dígitos, sendo que o primeiro tem significados diferentes: 1 ou 2 (pessoa singular ou empresário em nome individual), 5 (pessoa colectiva), 6 (pessoa colectiva pública) e 9 (pessoa colectiva irregular ou número provisório). A AT recorda também que o NIF é um número composto por nove dígitos, sendo os oito primeiros sequenciais e o último um dígito de controlo.

AT alerta para adaptação “atempada” dos sistemas informáticos

Face à atribuição desta nova gama de NIF, explica a nota da AT, “procede-se à divulgação deste facto para que as entidades interessadas possam efetuar a adaptação atempada dos respetivos sistemas informáticos”.

Segundo a Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC), a atribuição desta nova gama de NIF aos contribuintes singulares já era expectável dado que estava previsto o rápido esgotamento da gama 2 de NIF.

“Esta nota informativa destina-se a todas as entidades em que exista a necessidade de colocar o NIF”, explicou ao Jornal Económico Jorge Carrapiço, responsável pelo departamento técnico da OCC, dando aqui como exemplos de entidades que necessitam de adaptar os programas informáticos e máquinas de facturação os comerciantes, contabilistas, empresas com processamento salarial, bem como repartições de finanças, balcões do Instituto dos Registos e do Notariado (IRN), lojas de cidadão e postos consulares portugueses, entre outros.

As várias gamas de NIF

Antigamente, era necessário solicitar o NIF (também designado como número de contribuinte) apenas quando fosse necessário. Hoje em dia, ao pedir o Cartão do Cidadão, o NIF é automaticamente gerado e associado ao Cartão do Cidadão. Destina-se exclusivamente ao tratamento de informação de natureza fiscal e aduaneira e é gerado de forma automática. Cada cidadão apenas pode ter um NIF. E é composto por nove dígitos, sendo os oito primeiros sequenciais e o último de controlo. No caso de uma pessoa singular, o primeiro dígito começa sempre pelo algarismo 1 ou 2.

Se os algarismos iniciais forem 45, o NIF refere-se a um cidadão não residente com rendimentos sujeitos a retenção na fonte a título definitivo (ex: valores mobiliários). E se as iniciais forem 5, 6, 90, 91, 98, 99, o NIF refere-se a pessoa colectiva (empresa ou associação) ou equiparada, sendo que a gama 6 refere-se a pessoa colectiva pública e o 9 a pessoa coletiva irregular ou número provisório.

As gamas 90 e 91 referem-se a NIF de condomínios e sociedades irregulares; a 98 refere-se a não residentes com ou sem estabelecimento estável, enquanto a 99 respeita a sociedades civis sem personalidade jurídica.

Já a gama 70xx/74xx  refere-se a heranças indivisas e os NIF começados por 71 a contribuintes especiais coletivos (não residentes com retenção na fonte a título definitivo). Se os algarismos iniciais começarem  por 72, o NIF refere-se a Fundos de Investimento e Fundos de Pensões

Existem duas entidades que atribuem NIF: a AT e o Registo Nacional de Pessoas Coletivas (RNPC). O NIF pode ser pedido, por exemplo, nos balcões de atendimento da AT e nas Lojas do Cidadão que têm este serviço ou nos balcões que disponibilizam o Cartão do Cidadão.

Ler mais
Recomendadas

Preços de Transferência: Qual o papel dos prestadores de serviços na ajuda às multinacionais

Criação de valor com os preços de transferência está na ordem do dia. As empresas que querem vir a internacionalizar não podem descurar esta dinâmica. As consultoras estão atentas a esta matéria fiscal com o objetivo de obterem os melhores resultados para os clientes.

Marcelo não se pronuncia sobre crédito da Caixa a Isabel dos Santos

“Não comento casos específicos nesse domínio, como noutros”, disse Presidente da República, questionado sobre as notícias do empréstimo de 125 milhões de euros pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) a Isabel dos Santos, sem que a instituição tenha avaliado se a empresária tinha capacidade financeira para pagar.

“Quem não for votar, não diga que outros acabaram por fazer escolhas que não aquelas que queriam”, diz Marcelo

Presidente da República apelou à participação eleitoral este domingo e defendeu que “o voto é de cada qual e desperdiça-lo é verdadeiramente, em todos os momentos, mas agora em particular, um erro enorme”.
Comentários