A política de André Ventura é “uma política que nós já conhecemos com Donald Trump e Marine Le Pen”

O candidato do Bloco de Esquerda à Câmara de Loures, Fabian Figueiredo, reagiu à polémica entrevista de André Ventura: “É um militante ativo de extrema-direita e não é de agora”.

Fabian Figueiredo, candidato do Bloco de Esquerda à Câmara de Loures, citando o ex-deputado do PSD, António Rodrigues, defende que “as declarações de André Ventura não identificam nenhum problema, nem pretendem resolver nenhum problema, pelo contrário, querem é agudizar o conflito para fins eleitorais”.

Para o candidato do Bloco de Esquerda, André Ventura não faz nada por acaso e por isso as suas acusações devem ser veemente condenadas, pois vão para além de declarações sobre minorias étnicas.

“Tem-se falado da comunidade cigana, mas ele já deu a entender que está a falar também dos afrodescendentes ou da grande comunidade de cidadãos do Bangladesh que existe. Está a escolher um grupo social para fazer uma política que nós já conhecemos com Donald Trump e Marine Le Pen”, disse ao Notícias ao Minuto.

O cabeça de lista do Bloco de Esquerda salientou também que o candidato do PSD desconhece o concelho de Loures e que a sua candidatura é feita sem um fundamento, pois poderia estar a candidatar-se para qualquer outro município.

“Nestas coisas nota-se que André Ventura fala de cor e faz uma campanha em Loures que tinha pensado para qualquer autarquia da Área Metropolitana de Lisboa. Não sabe do que fala e cria factos alternativos em coisas muito concretas”, salientou em entrevista ao Notícias ao Minuto. Acrescentando que “é preciso traçar um muro claro contra o ódio”.

André Ventura, candidato à Câmara de Loures pelo PSD, tinha também o apoio do CDS, quando deu uma polémica entrevista o jornal i, onde falou dos ciganos como uma etnia que “vive quase exclusivamente de subsídios do Estado “, acrescentando que “acham que estão acima das regras do Estado de direito”.

Depois destas declarações polémicas, várias personalidades políticas têm exigido que Pedro Passos Coelho se demarque de André Ventura, tal como António Costa que acusou o presidente do PSD de falta de coragem por manter o “candidato racista”.

Ler mais
Relacionadas

André Ventura: El País escreve sobre “candidato racista” à Câmara de Loures

O jornal traça um perfil ao candidato social-democrata à Câmara de Loures, André Ventura, e defende que o “candidato racista” veio “romper a coligação portuguesa do centro-direita” com as suas declarações polémicas sobre a comunidade cigana em Portugal.

André Ventura em nova polémica, agora com a comunidade islâmica

Depois da polémica com a comunidade cigana, André Ventura volta a estar na ribalta pelos piores motivos: há um ano atrás, defendia uma “redução drástica da presença islâmica na União Europeia”.

CDS retira apoio a André Ventura em Loures

O CDS-PP retirou o apoio a André Ventura nas eleições para a Câmara de Loures, informou o presidente da distrital lisboeta dos centristas.

“Ou Passos muda de atitude ou o incitamento ao ódio racial vai ‘pegar de estaca’ em Portugal”

O antigo eurodeputado, Rui Tavares, em seguimento as intervenções de António Costa, também reagiu à polémica entrevista de André Ventura e defende que Passos deveria retirar o apoio do PSD ao candidato.
Recomendadas

Preparação das candidaturas dos independentes “está a ser prejudicada” pela lei eleitoral autárquica, diz AMAI

Os independentes preferem sair prejudicados agora enquanto esperam que se altere a lei do que optar “por qualquer outra solução”, explicou o presidente da Associação Nacional dos Movimentos Autárquicos Independentes. Grupo deu até dia 31 de março para que as mudanças sejam feitas, caso contrário vai criar partido.

Lisboa Protege. Autarquia disponibiliza 20 milhões de apoio às empresas a partir de hoje

Esta fase do programa está orçada em 35 milhões de euros, sendo que 20 milhões são para os empresários com quebra de faturação superior a 25% nos três primeiros trimestres do ano passado ou na totalidade dos trimestres.

BE quer acabar “presunção legal” de que trabalhadores aceitam despedimento assim que recebem compensação

O BE entende que, quando um trabalhador é despedido por razões que não são de justa causa, o recebimento da compensação prevista na lei não é suficiente para certificar que esse mesmo trabalhador se resigna ou se abstenha de contestar o despedimento na justiça, e pede que essa presunção legal seja extinta.
Comentários