À procura de emprego? Parlamento está a recrutar 10 assessores em Direito

Está em curso um concurso para preencher uma dezena de postos de trabalho para a categoria de assessor parlamentar na área de Direito. Os funcionários parlamentares têm “um horário especial de trabalho e uma remuneração suplementar”.

O Governo abriu recentemente um procedimento concursal de recrutamento para preencher 10 postos de trabalho na categoria de assessor parlamentar na área do Direito, segundo um despacho publicado em Diário da República.

Caso esteja interessado em concorrer saiba que tem de ter licenciatura em Direito, pelo menos, 18 anos de idade, nacionalidade portuguesa e “robustez física e perfil psíquico indispensáveis” ao exercício deste tipo de funções jurídicas e de contexto político.

A seleção dos candidatos para esta oferta de emprego terá como base uma prova escrita de conhecimentos e termina com uma entrevista de avaliação de competências dos potenciais assessores. O processo de escolha prevê ainda uma avaliação psicológica, um teste escrito e oral de língua inglesa e outro de conhecimentos informáticos (para avaliar o domínio de ferramentas usadas na Assembleia da República, como os sistemas Microsoft Office 2013 e 2016).

As funções serão exercidas na Assembleia da República (AR), na cidade de Lisboa, e podem implicar deslocações em Portugal ou ao estrangeiro. “Os funcionários parlamentares têm um regime especial de trabalho decorrente da específica natureza e das condições de funcionamento próprias da AR, que compreende um horário especial de trabalho e uma remuneração suplementar”, lembra o Executivo, no mesmo diploma.

A apresentação de candidaturas pode ser feita online, no site oficial do Parlamento, bem como a consulta do Estatuto dos Funcionários Parlamentares.

Recomendadas

Bloco de Esquerda avança com projeto de regulação das relações laborais na advocacia

Projeto de lei entregue hoje na Assembleia da República visa garantir que “as relações laborais no âmbito da advocacia são desenvolvidas dentro da legalidade, através de um contrato de trabalho reduzido a escrito, aplicando-se o Código do Trabalho ao início, ao conteúdo e à cessação dessas relações laborais”.

Quem pode auditar os créditos do Novo Banco? PwC auditou em 2017, EY em 2018 e KPMG tem legado do BES

Qual é a auditora que tem independência para avaliar os créditos do Novo Banco? Depois da KPMG, da PwC e da EY, só resta a Deloitte das “Big Four” para fazer a grande auditoria aos créditos do banco desde os tempos do BES que os políticos pediram.

PremiumRui Barros: “Estamos a assistir a uma nova tendência: hiperpersonalização”

O responsável da Accenture Technology explica como as novas tecnologias estão a alterar a forma como vivemos e quais as grandes tendências a nível mundial.
Comentários