À procura do liberal perfeito

Os que pensam de forma mais liberal deveriam tomar devida nota das prioridades e perceber que perante o quadro atual vale de muito pouco ir à procura do liberal perfeito.

Num artigo no “Observador”, Pinto dos Santos e André Alvim disferiram um forte ataque à Iniciativa Liberal (IL). Os autores, que se assumem como liberais, rejeitam votar no novo partido por considerarem que não respeita a dignidade humana e o direito à vida. Provavelmente a IL agradece, porque a sua grande batalha nesta fase é a da notoriedade.  A IL não tem aparecido nas sondagens e é de suspeitar que o objetivo não seja eleger um eurodeputado, mas percorrer o seu caminho e divulgar a sua mensagem.

Nas caixas de comentários e nas redes sociais começou uma “inesperada” discussão acerca do que é um verdadeiro liberal. Pois bem, haverá liberais mais ou menos minarquistas, mais ou menos “austríacos”, mais ou menos informados ou estruturados. Mas todos partilharão do mesmo desejo de maior liberdade, mais livre arbítrio, com menos impostos e certamente menor intervenção por parte do Estado, nomeadamente na economia.

Em eleições europeias, uma atitude liberal pode implicar defender uma Europa que privilegie o indivíduo, ajude a garantir as suas liberdades e a igualdade de oportunidades, mas repudiar uma Europa que controle, oprima e uniformize pessoas e empresas. Os que assim pensam poderiam tomar devida nota das prioridades e perceber que perante o quadro atual vale de muito pouco ir à procura do liberal perfeito.

Recomendadas

Ações do Benfica atingem novo máximo com proposta do Atlético Madrid por João Félix

As ações do clube da Luz atingiram os 3,17 euros, tendo registado uma subida de 4,6% desde que os encarnados informaram a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários de que estão analisar uma proposta sobre o jogador.

PSI-20 mantém-se no ‘verde’ impulsionado pela Altri e Sonae Capital

O principal índice da bolsa de Lisboa abriu a sessão desta quinta-feira com uma subida de 0,19% para 5.087,94 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias

2018: o ano em que o ‘crowdfunding’ chegou ao mercado nacional

O ano passado marcou a ‘estreia’ das plataformas de financiamento colaborativo em Portugal, CMVM a receber sete pedidos de registo. Mas, na Europa, as ambições passam por desenhar um quadro regulatório para impulsionar o ‘crowdfunding’. A Comissão Europeia já entregou proposta ao Parlamento.
Comentários