Abanca inicia operação nos EUA com abertura de sucursal em Miami

Com esta entrada nos EUA, aprovada em outubro pela Reserva Federal norte-americana, o Abanca poderá passar a prestar serviços financeiros em todo o país.

O espanhol Abanca iniciou, esta quarta-feira, a operação no sistema financeiro dos Estados Unidos da América com a abertura da sucursal em Miami, na Flórida.

O banco continua a crescer após a compra do Deutsche Bank PCC em Portugal e da Caixa Geral de Depósitos em Espanha.

Além de Espanha, o Abanca está presente em 10 países da Europa e América, através de uma rede internacional, constituída por sucursais nos EUA, Portugal e Suíça e escritórios de representação no Brasil, México, Panamá, Venezuela, França, Alemanha, Reino Unido e também Suíça.

“A cerimónia de inauguração contou com a presença de Juan Carlos Escotet Rodríguez, Presidente do Abanca, Francisco Botas, CEO, dos conselheiros Eduardo Eraña e Pedro López, de Alfonso Caruana, Diretor-geral dos Negócios Internacionais, e Mónica Vázquez, Diretora da sucursal em Miami”, diz o banco em comunicado.

A escolha de Miami para o centro de operações é estratégica para o Abanca, “por representar a entrada para inúmeras empresas espanholas no mercado americano, e por ser um local onde reside uma ampla comunidade de cidadãos de origem espanhola, portuguesa e latino-americana”, refere a nota.

Com esta entrada nos EUA, aprovada em outubro pela Reserva Federal norte-americana, o Abanca poderá passar a prestar serviços financeiros em todo o país.

“Esta aposta permite, ainda, ao Abanca reforçar o crescimento nos mercados com elevado potencial e, especialmente, no segmento de empresas e clientes particulares”, diz a instituição.

Ler mais
Recomendadas

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.

Sindicato dos Quadros e CGD chegam a acordo para aumento salarial de 0,75%

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários concluiu revisão salarial do acordo de empresa com a CGD. O pagamento será feito em dezembro, com efeitos a 1 de janeiro de 2018.
Comentários