Abanca inicia operação nos EUA com abertura de sucursal em Miami

Com esta entrada nos EUA, aprovada em outubro pela Reserva Federal norte-americana, o Abanca poderá passar a prestar serviços financeiros em todo o país.

O espanhol Abanca iniciou, esta quarta-feira, a operação no sistema financeiro dos Estados Unidos da América com a abertura da sucursal em Miami, na Flórida.

O banco continua a crescer após a compra do Deutsche Bank PCC em Portugal e da Caixa Geral de Depósitos em Espanha.

Além de Espanha, o Abanca está presente em 10 países da Europa e América, através de uma rede internacional, constituída por sucursais nos EUA, Portugal e Suíça e escritórios de representação no Brasil, México, Panamá, Venezuela, França, Alemanha, Reino Unido e também Suíça.

“A cerimónia de inauguração contou com a presença de Juan Carlos Escotet Rodríguez, Presidente do Abanca, Francisco Botas, CEO, dos conselheiros Eduardo Eraña e Pedro López, de Alfonso Caruana, Diretor-geral dos Negócios Internacionais, e Mónica Vázquez, Diretora da sucursal em Miami”, diz o banco em comunicado.

A escolha de Miami para o centro de operações é estratégica para o Abanca, “por representar a entrada para inúmeras empresas espanholas no mercado americano, e por ser um local onde reside uma ampla comunidade de cidadãos de origem espanhola, portuguesa e latino-americana”, refere a nota.

Com esta entrada nos EUA, aprovada em outubro pela Reserva Federal norte-americana, o Abanca poderá passar a prestar serviços financeiros em todo o país.

“Esta aposta permite, ainda, ao Abanca reforçar o crescimento nos mercados com elevado potencial e, especialmente, no segmento de empresas e clientes particulares”, diz a instituição.

Ler mais
Recomendadas

Máximo dos Santos defende papel do BdP na aplicação das medidas de resolução aos bancos pequenos

O Banco de Portugal organizou ontem de manhã, em Lisboa, um evento dedicado ao planeamento de resolução de instituições classificadas de menos significativas e das instituições que não estão abrangidas pelo âmbito do Mecanismo Único de Resolução. Juntou 28 instituições de crédito e empresas de investimento e a APB.

António de Sousa passa avaliação de idoneidade

Ex-presidente da Caixa, atualmente gestor do fundo ECS, passou no exame de idoneidade do supervisor a antigos administradores do banco público que continuam ligados ao setor financeiro.

FMI recomenda que Parlamento dê ouvidos aos supervisores na reforma da supervisão financeira

“Os três supervisores setoriais nacionais levantaram preocupações legítimas em relação ao projeto de lei e que merecem uma ponderação cuidadosa no Parlamento antes que este projeto de lei seja aprovado e convertido em lei”, lê-se no comunicado da equipa técnica do FMI que esteve em visita a Portugal.
Comentários