Abastece em Espanha? Gasóleo vai subir 3,8 cêntimos

Governo ressalva que 30% dos valores desta medida vão ser utilizados em 2020 para impulsionar medidas que fomentem a mobilidade

O governo espanhol aprovou esta sexta-feira o projeto de lei para o Orçamento Geral do Estado para 2019, no qual contempla o aumento do gasóleo em 3,8 cêntimos por litro para os consumidores privados.

A decisão de suprimir com a bonificação do diesel terá um impacto de três euros mensais para o consumidor médio, o que significará pagar até 36 euros por ano. “A medida não terá impacto no gasóleo profissional, incluindo os profissionais agrícolas” afirmou a ministra da agricultura espanhola, María Jesús Montero, ao mesmo tempo que dizia que a medida servirá para subsidiar políticas de mobilidade sustentável. Para evitar que o estado espanhol seja enganado, Montero disse que a Agência Tributária tem a capacidade de identificar quando se abastece de forma profissional ou pessoas.

A ministra da agricultura ressalvou que 30% dos valores desta medida vão ser utilizados em 2020 para impulsionar medidas que fomentem a mobilidade sustentável, algo que consideraram “fundamental” para a renovação da frota de automóveis espanhóis, e também irá servir para ajudar as empresas e melhorar a competitividade e ajudar a indústria a adaptar-se ao século em que nos encontramos.

Esta é uma decisão que pode ser encarada como negativa para alguns portugueses que vão muitas vezes abastecer a Espanha, pelo facto do valor dos combustíveis serem consideravelmente mais baixos do outro lado da fronteira de Portugal.

Recomendadas

Apesar da ira de Trump, Sintra não foi palco de ‘guerra cambial’ entre Europa e EUA

Primeiro dia do Fórum do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, ficou marcado pela troca de palavras entre Donald Trump e Mario Draghi. “Não visámos as taxas de câmbio”, disse o presidente do BCE, em resposta à crítica do presidente norte-americano sobre o impacto de possíveis cortes adicionais da taxa de juros na zona euro.

Stanley Fischer fez duas previsões: se Trump for reeleito, a Fed terá novo presidente e os EUA serão do “terceiro mundo”

Ex-governador do Banco de Israel e ex-vice da Fed durante a administração de Obama, Stanley Fischer disse que o atual presidente da Reserva Federal norte-americana tem os dias contados se Donald Trump for reeleito. E, nesse caso, existe a probabilidade de os EUA se tornarem num país do ‘terceiro mundo’.

Carney salienta que Banco de Inglaterra pode relançar programa para estimular concessão de crédito

No Fórum do Banco Central Europeu, Mark Carney defendeu ainda a importância de comunicar o ‘guidance’ para “gerir expectativas à medida que as circunstâncias mudam”.
Comentários