Acionistas dão ‘luz verde’ à saída da Sumol+Compal da bolsa

A decisão apresentada por dois dos principais acionistas da empresa, a Refrigor e a Frildo, recebeu ‘luz verde’ de 94% dos acionistas da empresa.

Os acionistas da Sumol+Compal aprovaram esta quinta-feira em assembleia-geral a saída da cotada da bolsa nacional. A decisão apresentada por dois dos principais acionistas da empresa, a Refrigor e a Frildo, recebeu ‘luz verde’ de 94% dos acionistas da empresa.

A saída da bolsa nacional foi aprovada com o voto a favor da maioria dos acionistas e o voto contra do BPI Portugal, detentor de 0,52% do capital social da empresa (315.506 ações). A empresa deve vai agora comprar a posição do BPI para que a saída dos mercados.

“O Conselho de Administração da Sumol+Compal ficou encarregado de, de imediato, promover, junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a tramitação necessária com vista ao cumprimento desta deliberação”, pode ler-se no comunicado da empresa enviado à Comissão do Mercado de Valores Imobiliários (CMVM).

A saída da Sumol+Compal da bolsa segue-se à da Cimpor e do Montepio, que anunciaram também este ano a sua intenção de deixar a qualidade de sociedades abertas.

Recomendadas

Danone desacelera no terceiro trimestre mas sobe vendas para 6,2 mil milhões de euros

A Danone justifica o menor crescimento de vendas com a diminuição da procura de produtos alimentares para bebés na China e, ainda, pelo boicote levado a cabo pelos consumidores em Marrocos.

Grupo Soja de Portugal quer atingir 40% de exportações em 2022

A aposta nas exportações resultou em grande parte da crise que se abateu sobre o país, mas, passado o pior momento, é uma estratégia que o grupo tem todo o interesse em repetir. O que não é para repetir é o mercado de capitais, que a Soja abandonou em 2000.

Pastelaria Biarritz dá lugar a cervejaria Portugália no bairro lisboeta de Alvalade

Depois do fecho da pastelaria Sul América, em 2016, o encerramento da Biarritz acontece numa altura em que o comércio de Alvalade dá sinais de revitalização, patentes, por exemplo, no renascimento dos centros comerciais de Alvalade e Roma, e na abertura de diversos novos negócios.
Comentários