Ações da EDP recuperam após explicações de António Mexia

Os títulos da energética tinha caído nas últimas duas sessões com as notícias sobre a investigação sobre os CMEC. O CEO António Mexia, que é arguido por suspeita de corrupção, está a falar aos jornalistas, e as explicações estão a apoiar a cotação.

As ações da EDP-Energias de Portugal, ganham 2,37% para os 3,242 euros e recuperam das quedas das duas sessões anteriores, quando foram penalizadas pelas notícias sobre a investigação aos contratos que transformaram os Contratos de Aquisição de Energia (CAE) em CMEC (custos de manutenção de equilíbrio contratual).

A cotação da EDP tinha caído esta segunda-feira 2,25%, para 3,167 euros, uma desvalorização que ronda os 266 milhões de euros, segundo um analista, fixando-se a sua capitalização bolsista em 11,58 mil milhões de euros.  Isto depois de ter caído 1,34% na sexta-feira, dia das buscas da Polícia Judiciária e da constituição de arguidos de António Mexia, presidente da eléctrica, e de João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis,  ambos por suspeitas de corrupção.

 

Mexia explicou esta terça-feira em conferência de imprensa que a EDP não recebeu nenhum benefício, nem em 2004 quanto foi negociado o mecanismo dos CMEC, nem em 2007 quando alguns dos pressupostos foram atualizados. O CEO adiantou que não pondera demitir-se e que seria um erro suspender o mandato durante a investigação.

“É importantíssimo que as pessoas vejam eliminada a incerteza. Os mercados desejam isso”, referiu Mexia em resposta a uma pergunta sobre a desvalorização dos títulos.

Relacionadas

Decisões de Bruxelas mostram que a “EDP não recebeu nenhum benefício”, defende Mexia

O presidente da EDP salienta que a Comissão Europeia recebeu duas queixas sobre os CMEC e concluiu que não houve irregularidades na compensação à empresa. “Se eu pondero a demissão? Não”, esclarece Mexia.

Mexia: “Decisões foram colegiais e tomadas nos órgãos sociais competentes”

O CEO da EDP está a explicar as decisões da empresa no processo dos CMEC. Mexia começou a conferência de imprensa a dizer que as decisões tomadas pelos executivo foram tomadas em nome e em sede dos órgãos competentes da empresa.

EDP perde milhões em bolsa com expetativa de desvalorização de receita futura

A investigação sobre os CMEC está a penalizar as ações da EDP. Esta segunda-feira um tombo de 2,25% retirou cerca de 266 milhões à capitalização da empresa. O CEO António Mexia, um dos arguido por suspeitas de corrupção , fala esta manhã aos jornalistas.
Recomendadas

Luságua aposta na telegestão para aumentar eficiência

Com esta tecnologia de permanente monitorização que visa “a possibilidade de prever futuros problemas”, a Luságua assume um papel de salvaguarda das empresas que têm como objetivo “otimizar gastos de exploração”.

“Garra Vimaranense” guia estratégia de captação de turismo

A estratégia apresentada pela Câmara Municipal de Guimarães concretiza-se através de três programas principais, 12 projetos e 48 subprojetos que envolverão toda a população vimaranense.

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.
Comentários