Ações da EDP recuperam após explicações de António Mexia

Os títulos da energética tinha caído nas últimas duas sessões com as notícias sobre a investigação sobre os CMEC. O CEO António Mexia, que é arguido por suspeita de corrupção, está a falar aos jornalistas, e as explicações estão a apoiar a cotação.

As ações da EDP-Energias de Portugal, ganham 2,37% para os 3,242 euros e recuperam das quedas das duas sessões anteriores, quando foram penalizadas pelas notícias sobre a investigação aos contratos que transformaram os Contratos de Aquisição de Energia (CAE) em CMEC (custos de manutenção de equilíbrio contratual).

A cotação da EDP tinha caído esta segunda-feira 2,25%, para 3,167 euros, uma desvalorização que ronda os 266 milhões de euros, segundo um analista, fixando-se a sua capitalização bolsista em 11,58 mil milhões de euros.  Isto depois de ter caído 1,34% na sexta-feira, dia das buscas da Polícia Judiciária e da constituição de arguidos de António Mexia, presidente da eléctrica, e de João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis,  ambos por suspeitas de corrupção.

 

Mexia explicou esta terça-feira em conferência de imprensa que a EDP não recebeu nenhum benefício, nem em 2004 quanto foi negociado o mecanismo dos CMEC, nem em 2007 quando alguns dos pressupostos foram atualizados. O CEO adiantou que não pondera demitir-se e que seria um erro suspender o mandato durante a investigação.

“É importantíssimo que as pessoas vejam eliminada a incerteza. Os mercados desejam isso”, referiu Mexia em resposta a uma pergunta sobre a desvalorização dos títulos.

Relacionadas

Decisões de Bruxelas mostram que a “EDP não recebeu nenhum benefício”, defende Mexia

O presidente da EDP salienta que a Comissão Europeia recebeu duas queixas sobre os CMEC e concluiu que não houve irregularidades na compensação à empresa. “Se eu pondero a demissão? Não”, esclarece Mexia.

Mexia: “Decisões foram colegiais e tomadas nos órgãos sociais competentes”

O CEO da EDP está a explicar as decisões da empresa no processo dos CMEC. Mexia começou a conferência de imprensa a dizer que as decisões tomadas pelos executivo foram tomadas em nome e em sede dos órgãos competentes da empresa.

EDP perde milhões em bolsa com expetativa de desvalorização de receita futura

A investigação sobre os CMEC está a penalizar as ações da EDP. Esta segunda-feira um tombo de 2,25% retirou cerca de 266 milhões à capitalização da empresa. O CEO António Mexia, um dos arguido por suspeitas de corrupção , fala esta manhã aos jornalistas.
Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários