Acordo comercial quase concluído impulsiona Wall Street

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos Steve Mnuchin, disse que o acordo comercial com a China “está 90% completo” e indicou existir um caminho para o completar caso as duas maiores potências económicas recomecem.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque abriram a sessão desta quarta-feira em alta. O secretário do Tesouro dos Estados Unidos Steve Mnuchin, disse que o acordo comercial com a China “está 90% completo” e indicou existir um caminho para o completar caso as duas maiores potências económicas recomecem.

No final desta vai realizar-se a cimeira do G20, em Osaka, no Japão. Os mercados estarão focados no encontro, marcado para sábado, entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente chinês, Xi Jinping.

Esta quarta-feira, após o toque do sino, o industrial Dow Jones valorizava 0,26%, para 26.617,78 pontos; o tecnológico Nasdaq avançava 0,67%, para 7.937,57 pontos; e o S&P 500 subia 2.926,68 pontos.

Sobre a relação entre os dois chefes de Estado, Steve Mnuchin revelou que é uma relação de trabalho “muito estreita” e relembrou a reunião “produtiva” na última cimeira do G20, que se realizou na capital da Argentina, na cidade de Buenos Aires.

Ainda assim, não se espera que o acordo fique fechado já após a cimeira de Osaka. O secretário do Tesouro norte-americano espera que o acordo fique selado até ao final do ano, embora tenha reconhecido que tal dependa de esforços adequados.

A subida registada no início da sessão desta quarta-feira contrasta com as perdas verificadas na véspera. Esta terça-feira, o presidente da Reserva Federal, Jerome Powell, revelou que se questiona se a incerteza que tem assolado a economia internacional perdurará, o que poderá motivar uma adaptação da política monetária norte-americana.

Na frente empresarial, destaque para a subida de 8% da Micron Technology, uma produtora de semicondutores norte-americana que apresentou resultados acima das expectativas e revelou que iria retomar as entregas de chips à Huawei.

Nas matérias-primas, o preço do barril de Brent, referência para o mercado europeu, está a subir 1,71%, para 66,16 dólares. Do outro lado do Atlântico, o West Texas Intermediate acumula 2,78%, para 59,44 dólares.

Ler mais
Relacionadas

Fiasco da reunião entre Trump e Xi Jinping pode pressionar a Fed a baixar as taxas de juro já em julho

O encontro entre Donald Trump e Xi Jinping, durante a cimeira do G20, que se realiza em Osaka, entre os dias 28 e 29, poderá ser determinante para o acordo comercial entre os EUA e a China. Caso o encontro seja positivo, esperam-se novos máximos históricos para os mercados bolsistas. Mas se o encontro comprometer o acordo, os analistas contatados pelo JE revelam que os impactos não serão assim tão negativos, com a Reserva Federal note-americana a poder cortar as taxas de juro já no próximo mês.

Ouro em tempos de incerteza: ativo-refúgio atinge máximos de 2013

Ameaças de conflitos geopolíticos e atitude mais ‘dovish’ dos bancos centrais norte-americano e europeu está a marcar os mercados. Ouro sobe há seis sessões consecutivas e dólar cai, enquanto o menor espaço de manobra do BCE para cortar taxas de juros deverá beneficiar o Euro face à divisa norte-americana.
Recomendadas

Wall Street termina sessão animado apesar de resultados negativos das construtoras

A bolsa de Nova Iorque fechou a sessão desta quarta-feira com um sentimento positivo apesar das perdas de empresas do setor da construção e fabricantes de semicondutores. Os investidores analisaram os relatórios do último trimestre destes setores. No encerramento da sessão desta quarta-feira, o S&P 500 cresce 0,34%, para 3,004.62 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza […]

Bolsas europeias pendentes do Brexit e do BCE. Lisboa animada com CTT e BCP

Europa maioritariamente em alta em véspera de BCE. Lisboa não foi exceção com as ações dos CTT, BCP e Galp a puxarem pelo índice. A dívida pública continua em queda.

Regresso ao ativo dos Boeing 737 MAX anima Wall Street no início da sessão

As ações estão a reagir positivamente à notícia de que os Boeing 7373 MAX podem regressar aos céus ainda este ano. Adicionalmente a empresa espera um disparo de 36% da produção ao ritmo de 57 aviões por mês até ao final de 2020.
Comentários