ACT regista 108 mortos e 234 feridos graves em acidentes de trabalho até outubro

Segundo a ACT, em 2017 morreram 119 trabalhadores e 382 ficaram feridos na sequência de acidentes de trabalho.

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) investigou 108 acidentes de trabalho mortais e 234 acidentes com feridos graves nos dez primeiros meses do ano, foi hoje divulgado pela ACT, que reafirmou a prioridade da prevenção da sinistralidade laboral.

“Reduzir o número de acidentes em contexto laboral, como via de assegurar um emprego digno, seguro e saudável, é determinante”, afirmou a autoridade numa nota de imprensa em que reafirma que a prevenção dos “acidentes de trabalho continua a ser um dos eixos prioritários da ACT”.

A ACT encerra na quinta-feira no Porto a ‘Campanha Ibérica de Prevenção de Acidentes de Trabalho’, que promoveu com a sua congénere espanhola durante dois anos.

Segundo a ACT, em 2017 morreram 119 trabalhadores e 382 ficaram feridos na sequência de acidentes de trabalho.

“Como meio de travar estes números dramáticos, em 2016 nasceu a Campanha Ibérica de Prevenção de Acidentes de Trabalho que encerra agora”, afirmou a autoridade, na véspera de divulgar o balanço dos dois anos de campanha.

A ACT divulgará ainda “os passos futuros para a prossecução do objetivo central da campanha”, que é a redução da sinistralidade laboral, implementando no mundo laboral e na sociedade civil “uma verdadeira cultura de prevenção”.

A campanha ibérica, que envolveu “um conjunto muito vasto de parceiros”, levou à realsocização de um conjunto de atividades que tinham como objetivo a redução da sinistralidade laboral preconizada na Estratégia Nacional para a Segurança e Saúde no Trabalho 2015/2020 e na Estratégia Espanhola de Segurança e Saúde no Trabalho.

Ler mais
Recomendadas

Governo chama professores à mesa das negociações

Dia 25 de fevereiro é a data fixada pelo governo para voltar a negociar com os sindicatos. “Só espero que desta vez corresponda às expectativas dos professores e dos educadores”, afirmou Júlia Azevedo, presidente do Sindicato Independente dos Professores e Educadores, ao Jornal Económico.

Polémica em França: Escolas vão substituir “pai” e “mãe” por “responsável 1” e “responsável 2”

Os defensores da mudança dizem que vai impedir a discriminação contra pais do mesmo sexo, mas os críticos argumentam que esta nova fórmula “desumaniza” a paternidade.

Compra pela Amazon? Vêm aí entregas mais ecológicas

”Shipment Zero” é o nome da iniciativa que inclui implementação de energias renováveis, entrega de encomendas em veículos elétricos e a disponibilização da pegada de carbono da empresa no final do ano.
Comentários