Administração Pública da Madeira apresenta défice de 2,7 milhões de euros

Em setembro verificou-se um aumento na receita da Administração Pública da Madeira de 7,7% e uma quebra de 5% na despesa.

A Administração Pública da Madeira apresentou, em setembro, um défice de 2,7 milhões de euros, de acordo com o boletim da Direcção Regional do Orçamento e Finanças.

Em setembro verificou-se ainda um aumento de 7,7% na receita da Administração Pública da Madeira, que foi influenciada por uma subida de 13% na componente fiscal e pela quebra de 3,7% na receita vinda da componente não fiscal.

Na despesa existiu uma quebra de 5%, em setembro, que reflecte a descida no encargos com as SCUTS e com os Juros, e outras rubricas, devido à operação de reestruturação de swaps de empresas públicas da Região.

A educação e a área social representaram 56,4% da despesa da Administração Pública, com execuções orçamentais que chegaram aos 232,6 milhões de euros e aos 225,2 milhões de euros.

Esta despesa já inclui os contratos programas assinados pelo Serviço Regional de Saúde (SESARAM) e ainda as verbas referentes à construção do Novo Hospital da Madeira, diz o boletim.

Recomendadas

Madeira despende cinco milhões de euros no combate ao VIH e Hepatite C

O Governo Regional estabeleceu um contrato-programa com a Associação para o Planeamento da Família (APF) que vai permitir a elaborar de testes rápidos e de diagnóstico de infecção pelo VIH.

PS chama Albuquerque e Pedro Calado à Assembleia para prestar esclarecimento sobre AIMINHO

Em causa está a constituição de Patrícia Dantas, diretora regional da Economia, como arguida no processo que envolve a Associação Empresarial do Minho (AIMINHO), que terá alegadamente criado um esquema fraudulento, envolvendo fundos comunitários, com desvios de pelo menos 10 milhões de euros.

Inaceitável. Reação do CDS-PP Madeira à recusa de Pedro Marques em prestar declarações sobre TAP

O líder do CDS-PP Madeira considera que a recusa do ministro em vir prestar declarações à comissão de inquérito sobre a gestão da TAP, da Assembleia Regional, é “sintomático do valor e do respeito” que o PS tem pelas autonomias.
Comentários