ADSE: Governo assegura que benefício não sofre alterações com nova legislação

Comunicado conjunto dos ministérios liderados por Mário Centeno e Marta Temido assegura que o novo decreto-lei não irá alterar os benefícios da ADSE.

O Governo, através dos ministérios das Finanças e da Saúde, esclareceu em comunicado que a nova legislação “não implica qualquer alteração aos benefícios da ADSE face à situação dos últimos anos”.

Os ministérios liderados por Mário Centeno e Marta Temido esclarecem que esta “publicação vem apenas expressar o que já era habitualmente publicado em Leis de Orçamento do Estado, passando agora a estar previsto em legislação própria, que clarifica as responsabilidades do SNS e da ADSE”, sendo que esta “clarificação foi solicitada pelo Tribunal de Contas, Entidade Reguladora da Saúde e Provedoria de Justiça”.

Este novo diploma, de acordo com o executivo, “mantém as regras, ou seja, são suportados pelo SNS os medicamentos prescritos ou dispensados a beneficiários de subsistemas públicos como a ADSE, SAD e ADM no âmbito da rede nacional de prestação de cuidados de saúde (que engloba os estabelecimentos do SNS e por ele convencionados), o que já acontece desde 2010”.

Qual é a exceção?

Os ministérios das Finanças e da Saúde esclarecem que a exceção associada ao novo diploma passa pela ressalva de que em situações em que “uma entidade que é convencionada do SNS é, em simultâneo, convencionada da ADSE, altura em que a responsabilidade financeira pela comparticipação dos medicamentos e dispositivos médicos é desta última”.

De resto, a ADSE vai continuar, garante o Governo, “a comparticipar os medicamentos dispensados em ambiente hospitalar privado nas situações de procedimento cirúrgico, internamento médico-cirúrgico, tratamento oncológico e atendimento médico permanente”.

(atualizada)

Ler mais
Recomendadas

É oficial: o café está em risco

Alterações climáticas que se têm sentido nos últimos anos estão a afetar a produção de café.

Inquilinos esperam promulgação de alterações à lei das rendas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) disse hoje à Lusa que espera que as alterações à legislação das rendas sejam promulgadas pelo Presidente da República, defendendo que estas podem ser “globalmente positivas”, mas também comportam aspetos negativos.

Reforma da supervisão financeira anunciada há quase dois anos continua por fazer

A reforma da supervisão financeira faz parte do programa do Governo, de finais de 2015, e logo em 2016 o ministro das Finanças, Mário Centeno, falou da necessidade de lançar uma “reflexão profunda” sobre a supervisão, para que “funcione melhor”, tendo em conta que “a experiência recente do sistema financeiro [português] é dececionante”.
Comentários