ADSE vai ter novas tabelas em março

“Não há amento de encargos para os beneficiários, há redução de preços que resulta de medidas de controlo de despesa”, disse ao “Jornal de Negócios” Eugénio Rosa, membro do conselho consultivo.

A ADSE vai ter novas tabelas em março que diminuirão as transferências dos beneficiários e do instituto para os prestadores de cuidados de saúde privados, contou ao “Jornal de Negócios” o presidente da ADSE.

“Vamos ver se conseguimos ter tudo pronto para avançar a 1 de março”, afirmou ao diário de economia Carlos Liberato Baptista. Segundo o responsável pelo mesmo organismo, as novas tabelas baixam os custos tanto para os beneficiários como para a ADSE.”

Ainda ontem veio a público que ADSE queria pagar menos aos prestadores privados de cuidados de saúde. Após a rejeição do aumento dos preços pagos pelos beneficiários nas consultas, a nova proposta implica uma redução nos encargos quer para o sistema de proteção, quer para os beneficiários.

Por isso, a ADSE pediu ao Conselho Geral e de Supervisão que aprove, na reunião que teve lugar esta quinta-feira, um “parecer urgente” sobre a nova tabela de preços.

“O que se aprovou foram instrumentos de controlo”, explicou ao matutino Eugénio Rosa, membro do conselho consultivo. “Não há amento de encargos para os beneficiários, há redução de preços que resulta de medidas de controlo de despesa”, acrescentou o porta-voz.

Relacionadas

Alargamento da ADSE pode abranger 118 mil novos beneficiários

O número consta de um estudo feito sobre as condições de alargamento da ADSE, onde se incluem todos os contratos a prazo e contratos individuais de trabalho, que devem passar a ser também beneficiários.

ADSE ‘chumba’ aumento dos preços das consultas

A proposta do conselho diretivo da ADSE defende aumentos para os beneficiários de 1,51 euros nas consultas de clínica geral e mais 1,01 euros nas de especialidade, a partir de janeiro, para o valor de 5 euros por consulta em ambos os casos.
Recomendadas

Altice Portugal em conversas com dois bancos para prestar serviços financeiros

Alexandre Fonseca afirmou que, “neste momento, a Altice Portugal está a falar com duas instituições financeiras nacionais (…) sobre a possibilidade de expandir a sua oferta para a área de serviços financeiros”.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.
Comentários