Afreximbank garante pagamento de exportações para África caso o importador falhe

Este novo mecanismo financeiro foi já apresentado aos bancos do Egito, e surge para facilitar o comércio em África e responder aos “requisitos cada vez mais rigorosos de ‘compliance’ e cumprimento dos regulamentos”, diz o banco.

Flickr

O Banco Africano de Exportações e Importações (Afreximbank) vai assumir os riscos de incumprimento das cartas emitidas pelos bancos a garantir o pagamento das exportações para África, para facilitar o comércio e impulsionar o desenvolvimento económico do continente.

Este novo mecanismo financeiro foi já apresentado aos bancos do Egito, e surge para facilitar o comércio em África e responder aos “requisitos cada vez mais rigorosos de ‘compliance’ e cumprimento dos regulamentos”, diz o banco.

O Programa de Facilitação do Comércio Financeiro foi anunciado no Cairo, a sede do Afreximbank, “em resposta aos requisitos cada vez mais rigorosos de ‘compliance’ e cumprimento dos regulamentos que estão a ser impostos pela banca internacional aos bancos africanos para poderem beneficiar de linhas de crédito” e responder às normas dos reguladores, diz o Afreximbank numa nota enviada à Lusa.

O instrumento financeiro, que será apresentado em mais dez cidades africanas nas próximas semanas, surge na sequência do aumento do volume de regras e regulamentos que os bancos internacionais têm de seguir para investir ou emprestar a parceiros africanos, o que tem levado a uma diminuição dos investimentos e à retirada de operações por parte de alguns dos maiores bancos de investimentos a nível mundial.

“Estes requisitos resultaram na redução ou retirada do apoio às linhas comerciais por parte dos bancos internacionais”, lê-se na nota, que salienta que o programa está “estruturado para aumentar a confiança dos parceiros na resolução de transações comerciais entre bancos africanos e entre os bancos internacionais e os africanos”.

O lançamento deste instrumento é mais uma iniciativa do banco para facilitar o comércio em África, no âmbito da estratégia de dinamização das trocas comerciais intra-africanas, que serão um dos temas principais no Fórum de Investimento em África, em Joanesburgo, em novembro, e na Feira de Comércio Intra-Africano, no Cairo, em dezembro.

Além destes dois eventos, o Afreximbank lançou em Abuja, durante os Encontros Anuais, o repositório Mansa, que pretende ser a fonte primária da informação de que os bancos necessitam para confirmar a idoneidade dos clientes africanos.

O Afreximbank é um banco de apoio ao comércio, exportações e importações em África e foi criado em Abuja, em 1993. Tem um capital de mais de 10 mil milhões de dólares.

Os acionistas são entidades públicas e privadas divididas em quatro classes e dele fazem parte governos africanos, bancos centrais, instituições regionais e sub-regionais, investidores privados, instituições financeiras, agências de crédito às exportações e investidores privados, além de instituições financeiras não africanas e de investidores em nome individual.

Ler mais
Recomendadas

Itália prestes a conhecer veredito final de Bruxelas sobre Orçamento

Bruxelas irá publicar a sua avaliação aos orçamentos de todos os Estados-membros e a economia italiana concentra as atenções europeias, depois da Comissão Europeia ter tomado, a 23 de outubro, a decisão inédita de rejeitar o OE2019 proposto pelo governo italiano.

Egito tortura e faz desaparecer crianças. Acusação é da Amnistia Internacional

A Amnistia Internacional disse hoje ter provas de que pelo menos seis crianças, incluindo uma de 12 anos e outra de 14 anos, foram torturadas sob custódia, e refere outras 12 que foram submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2015.

Déja vu: Ivanka Trump acusada de usar email pessoal para questões governamentais

Ivanka Trump, foi acusada de usar o email pessoal para responder a centenas de mensagens electrónicas relacionadas com questões governamentais. O uso inadequado da conta privada dentro da Casa Branca, traz lembranças da campanha presidencial de Trump, que acusou Hillary Clinton de usar a sua conta de email privada para responder e enviar e-mails oficiais enquanto secretária de Estado em 2009.
Comentários