Agência DBRS baixa rating do Montepio

Já o outlook passou de negativo para estável.

Stringer/Reuters

A agência canadiana de notação financeira DBRS reviu em baixa a classificação da dívida de longo prazo do Montepio de ‘BB(high)’ para ‘BB’, embora alterasse o outlook de negativo para estável, segundo anunciou a própria instituição bancária em comunicado à CMVM.

“Segundo a DBRS, esta ação é consequência do contexto de baixas taxas de juro, da fraca recuperação económica em Portugal e do complexo enquadramento regulamentar. De acordo com o referido comunicado, a notação atribuída à CEMG continua a refletir o seu sólido franchise, a sua leal base de clientes e a resiliência dos seus fundamentos, os quais permitiram evitar o acesso ao apoio estatal”, lê-se no comunicado.

“A Agência destaca ainda o progresso positivo que a CEMG tem vindo a fazer desde a nomeação da nova Administração Executiva e que aguarda uma melhoria gradual da rendibilidade a médio prazo, fruto do programa de redução de custos que foi implementado e dos sinais de estabilização na deterioração da qualidade dos ativos, em resultado das medidas de gestão tomadas. Foram igualmente revistas as notações de curto prazo para ‘R-4’, ‘de R-3’, e da Dívida Subordinada para ‘BB(low)’, de ‘BB’”, acrescenta o documento.

Recomendadas

Trump sobre Maduro: poderia ser “rapidamente derrubado” pelo exército venezuelano

Trump, que hoje interveio no primeiro dia do Debate Geral na 73.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, declarou esta terça-feira que a situação na Venezuela é “um caso triste” que deseja “ver resolvido”.

“Querem atacar-me, ataquem-me a mim”. Maduro critica Departamento do Tesouro norte-americano

O primeiro mandatário venezuelano reagia ao anúncio de hoje, de novas sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos da América (EUA) contra quatro pessoas do seu Governo, entre elas Cília Adela Flores de Maduro.

Ex-primeiro francês quer ser presidente da câmara municipal de Barcelona

“Quero ser o próximo presidente de câmara de Barcelona“, disse Manuel Vals, em catalão, numa cerimónia pública no Centro de Cultura Contemporânea da capital da Catalunha, colocando fim a vários meses de dúvida em relação às suas intenções de regressar à cidade em que nasceu há 56 anos.
Comentários