Agências de espionagem dos EUA cedem informações a investigação sobre interferência russa

Presidente norte-americano já disse que vai desclassificar os documentos relacionados com as origens da investigação sobre as ligações russas à campanha.

O diretor dos serviços secretos nacionais norte-americanos, Dan Coats, disse hoje que as agências de espionagem irão fornecer ao Departamento de Justiça informações para revisão das atividades de inteligência relacionadas com a alegada interferência russa nas eleições de 2016.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, alega que a sua campanha foi vítima de “espionagem” e deu ao procurador-geral William Barr plena autoridade para divulgar publicamente informações secretas reunidas durante a investigação sobre as origens do caso do alegado conluio entre a campanha presidencial de Trump, em 2016, e a Rússia.

Numa declaração divulgada na sexta-feira, Dan Coats disse estar confiante de que Will Barr trabalhará com “normas estabelecidas há muito tempo para proteger informações altamente sensíveis e classificadas, que, se divulgadas publicamente, colocariam em risco a segurança nacional dos Estados Unidos”.

Donald Trump já disse que vai desclassificar os documentos relacionados com as origens da investigação sobre as ligações russas à campanha.

Antes de partir para o Japão, onde inicia hoje uma visita oficial, Donald Trump disse aos jornalistas que a investigação foi “uma tentativa de golpe”.

O Presidente disse que poderia correr até “milhões de páginas” e que queria desclassificar os documentos do FBI e da CIA, incluindo os que podem pertencer a contactos no exterior, no Reino Unido.

Os comentários de Donald Trump acontecem um dia depois de ter concedido ao procurador-geral William Barr novos poderes para rever e potencialmente desclassificar os documentos relacionados com a investigação

A 14 de maio, Barr escolheu um procurador de Connecticut, John Durham, para analisar as origens da investigação à alegada conspiração entre Donald Trump e a Rússia nas eleições presidenciais de 2016.

Trump tem vindo a afirmar que a sua campanha foi vítima de espionagem, embora os serviços secretos insistam que agiram de acordo com a lei.

Apesar de Mueller não ter encontrado nenhuma prova sobre o alegado conluio, o relatório documentou extensos esforços de Moscovo para interferir na campanha de 2016 e a disposição por parte de pessoas próximas de Trump em aceitar a ajuda russa.

Ler mais
Recomendadas

Sánchez culpa Podemos e Cidadãos por cenário de novas eleições em Espanha

O líder socialista espanhol, Pedro Sánchez, culpou hoje o líder do Unidas Podemos, Pablo Iglesias, e o líder do Cidadãos, Alberto Rivera, pela falha de uma solução de Governo, que levará a novas eleições gerais em novembro.

Eurodeputados defendem ações concretas contra desflorestação da Amazónia

Eurodeputados portugueses do BE, PAN, PS, PSD, PCP e CDS-PP defenderam hoje que a União Europeia (UE) deve adotar “ações concretas” para instar as autoridades brasileiras a combater a desflorestação da Amazónia, recentemente devastada por grandes incêndios.

Responsável da ONU diz que indústrias de milhões vão mudar com Cimeira de Ação Climática

A secretária-geral adjunta das Nações Unidas (ONU), Amina Mohammed, estimou hoje que indústrias mundiais de milhares de milhões de dólares mudem com os novos estilos de vida que vão ser encontrados na Cimeira Climática da próxima semana.
Comentários