Agências que os CTT querem fechar lucraram 2,4 milhões de euros em 2017

As estações de Barrosinhas e de Arco da Calheta foram as únicas desse universo a apresentar prejuízos.

Rafael Marchante/Reuters

As 22 agências que os CTT-Correios de Portugal anunciaram que iriam encerrar deram lucros de 2,4 milhões de euros em 2017 e tiveram custos de mais de 2,15 milhões de euros e receitas de 4,5 milhões de euros, escreve o “Correio da Manhã” na edição desta quinta-feira.

As estações de Barrosinhas, em Águeda, e de Arco da Calheta, na Madeira, foram as únicas desse universo a apresentar prejuízos, de acordo com os dados a que o CM teve acesso. Questionados pelo matutino sobre o assunto, os Correios adiantaram que a decisão “foi tomada com base em estudos e análises”.

Os CTT confirmaram na terça-feira, 2 de janeiro, o fecho de 22 lojas no âmbito do plano de reestruturação anunciado em meados de dezembro passado que, segundo a Comissão de Trabalhadores dos Correios de Portugal, vai afetar 53 postos de trabalho.

“Tal como já tinha sido tornado público anteriormente, (…) confirmam o plano de adequação da sua rede envolvendo estes 22 pontos de acesso, inseridos nos mais de 2.300 existentes e dos mais de 4.000 agentes PayShop, que nesta fase ainda não tem data marcada”, assinalou o operador postal, num esclarecimento enviado às redações.

O encerramento destas 22 lojas “não coloca em causa o serviço de proximidade às populações e aos […] clientes, uma vez que existem outros pontos de acesso nas zonas respetivas que dão total garantia na resposta às necessidades face à procura existente”, garantem os CTT.

Em causa estão os seguintes balcões: Junqueira, Avenida (Loulé), Universidade (Aveiro), Termas de São Vicente, Socorro (Lisboa), Riba de Ave, Paços de Brandão (Santa Maria da Feira), Lavradio (Barreiro), Galiza (Porto), Freamunde, Filipa de Lencastre (Belas), Olaias (Lisboa), Camarate, Calheta (Ponta Delgada), Barrosinhas (Águeda), Asprela (Porto), Areosa (Porto), Araucária (Vila Real), Alpiarça, Alferrarede, Aldeia de Paio Pires e Arco da Calheta (Madeira).

Ler mais
Relacionadas

Câmara da Calheta contra encerramento de loja dos CTT

O presidente da autarquia diz que só tomou conhecimento da decisão de encerrar a loja no Arco da Calheta através da comunicação social esclarecendo que vai pedir uma reunião com os CTT/Madeira com o intuito de inverter esta medida.

Os CTT e os “Portugais esquecidos”

Qual a vantagem de privatizar empresas que prestam serviços públicos em regime de monopólio e que, por alguma razão, os privados não querem ou não conseguem assegurar por sua conta e risco? Que vantagens se retiram, a médio e longo prazo, da privatização de empresas que prestam serviços públicos em áreas onde não existe nem existirá concorrência?

CTT abrem rede postal a concorrentes

A partir de hoje, os compromissos apresentados pelos CTT vão estar em consulta pública por um período de 20 dias úteis, sendo que posteriormente “haverá lugar a uma decisão final na qual a AdC terá em conta as observações apresentadas pelos interessados”.
Recomendadas

João Bento, CEO dos CTT: “É-me indiferente a estrutura de capital da empresa”

Naquela que foi a sua primeira intervenção pública após substituir Francisco Lacerda, o novo rosto da gestão dos CTT revelou que ainda este ano haverá lugar para a reabertura de lojas CTT, sendo que os planos serão anunciados “nas próximas semanas”. João Bento foi falou sobre a possibilidade de o Estado voltar a ter uma participação nos CTT.

Falta um mês para a Mercadona abrir a primeira loja em Portugal

A Mercadona irá abrir em Portugal 10 lojas no segundo semestre de 2019. A empresa conta com 700 colaboradores portugueses e prevê chagar aos mil funcionários até ao final do ano.

Porto de Leixões registou o melhor quadrimestre no movimento de carga

Com um total de 23.854 turistas, a grande maioria é do Reino Unido, englobando 35%, sendo que da Alemanha chegaram 34% dos turistas e dos Estados Unidos da América chegaram 16% do número total. Os meses de fevereiro e março foram os que registaram um maior movimento de passageiros.
Comentários