Agroop: o Big Brother da produção agrícola que ajuda a semear e a poupar

Fundada em 2014, a Agroop promete tornar a vida dos agricultores mais fácil. Depois de angariar mais de 1.3 milhões para arrancar com um projeto, a app quer agora consolidar presença nos EUA, Austrália e mercado ibérico.

“Semear inovação, colher grandes resultados” é o mote da startup portuguesa Agroop que pretende ajudar agricultores a monitorizar as atividades no campo e a fazerem contas das despesas com a produção.

Avaliada em mais de 4.5 milhões de euros, a Agroop angariou um pouco mais de 1.3 milhões para arrancar com um projeto em 2014 e hoje já regista poupanças hídricas até 40%.

A app permite que o agricultor faça contas à produção. A Agroop apresenta uma solução combinada de software e hardware (tecnologia IoT), em que o multi-sensor Stoock mede, no campo, parâmetros relativos à cultura (como temperatura e humidade do solo). Os dados são depois enviados para o software Agroop Cooperation, onde o utilizador (agricultores e consultores) pode monitorizar as culturas. Concretamente, pode fazer gestão hídrica, o que permite regar com mais eficácia, analisar meteorologia, criar modelos de risco para prevenir pragas e doenças.

Como o fazem? O co-fundador e CEO Bruno Fonseca explicou ao Jornal Económico.

“Através da nossa tecnologia escalável e combinada, ajudamos os nossos agricultores não só a monitorizar as necessidades de água exatas das suas culturas, como ajudamo-los a prevenir de forma mais eficaz, fatores de risco, nomeadamente pragas, doenças e outros fungos”, explica o CEO.

“Acreditamos que a tecnologia da Agroop irá dar um contributo muito significativo para o aumento geral da produtividade no setor agrícola”, apela o fundador da app que já tem cerca de 1500 downloads.

Nasceu em 2014 e desde então o seu crescimento tem sido notável. Na altura, Bruno Fonseca estava a terminar o seu mestrado em Design de Comunicação na Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco e trabalhava como freelancer para uma empresa agrícola.

Enquanto desenvolvia um projeto de rebranding para um agricultor de Idanha-a-Nova, a ideia formou-se. “Fazendo alguma pesquisa de mercado percebi que as maiores empresas no mercado apresentavam ainda modelos de negócio conservadores, tecnologia bastante antiquada e interfaces muito pouco centradas no utilizador”, conta o fundador. “A agricultura terá forçosamente de se adaptar às condicionantes externas e acredito firmemente que a única forma de o fazer é através do uso eficiente das novas tecnologias”.

Em 2050, vamos ser 10 mil milhões. Alimentos geneticamente modificados podem ser solução

No entanto, nem tudo correu como esperado e a primeira vida da Agroop nasceu torta. Estávamos em 2016 e tornou-se necessário reestruturar o produto. Senão inserissem manualmente a informação, numa base diária, o produto não dava os resultados pretendidos e deixavam de ver a proposta de valor.

Em Portugal, a atenção voltada para a economia agrícola tem sido crescente devido à seca extrema, um fenómeno que agrava o abuso excessivo de recursos hídricos. As necessidades de água ocorridas na agricultura, podem ser superiores a 60% do total necessário, enquanto as necessidades de água para consumo humano poderão não chegar aos 10% do total. Mas em 2018, quando instalaram esta nova tecnologia os resultados foram significativos.

De acordo com a startup, com base em testemunhos de utilizadores de norte a sul do país, até ao momento conseguiu-se obter poupanças entre os 32% e os 40%. A Louricoop, uma cooperativa de produção agrícola, foi uma delas que conta que através do multi-sensor Stoock e Agroop Cooperation conseguiu obter resultados. Já a organização de produtores Carmo e Silvério relata que com as quatro sondas da Agroop consegue-se fazer uma melhor gestão da rega e por sua vez alcançar melhores resultados em termos de poupança de água.

Agora a empresa expandiu-se para sete países e neste momento já entraram também em Angola e nos Estados Unidos. O objetivo para 2019 é o de consolidar a presença nos Estados Unidos, Austrália e mercado ibérico.

No futuro e tendo em conta a malha de informação gerada, a Agroop terá condições para construir modelos de produção, gestão hídrica e de previsão de fatores de risco em larga escala, notificando e prevenindo agricultores dentro de zonas de influência, não só em Portugal, mas em todo o Mundo

Ler mais
Relacionadas

Idanha-a-Nova vai ser a capital mundial da alimentação sustentável até domingo

O programa do FISAS – Fórum Internacional de Territórios Relevantes para Sistemas Alimentares Sustentáveis será composto por intercâmbios de conhecimento e de boas práticas agrícolas, visitas de campo e conferências em torno da agroecologia, agricultura familiar, agricultura biológica, acesso a recursos naturais, alterações climáticas, património agrícola e biodiversidade.

Crise hídrica em Portugal já é um cenário real

O World Resources Institute estima que, em 2040, Portugal ocupe a 44º posição na lista de países que enfrentará níveis elevados de ‘stress hídrico’

Em 2050, vamos ser 10 mil milhões. Alimentos geneticamente modificados podem ser solução

Com um clima em constante alteração e um aumento da população mundial, a necessidade de responder à procura de alimentos vai-se agravar. O World Resources Institute sugere que alimentos geneticamente modificados sejam a solução.
Recomendadas

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.

Alterações climáticas: Lisboa ameaçada por cheias, seca, subida do nível do mar e calor excessivo

“A erosão continua, o calor excessivo aumenta, a seca meteorológica vai aumentar na zona de Setúbal e as cheias vão atacar o Tejo”, especialmente na região em que o Governo está a planear construir o aeroporto do Montijo, alerta especialista.

Habitantes do Tejo e Sado em risco de ficar debaixo de água

As consequências mais relevantes para a vida das populações no Tejo e no Sado serão as alterações nas zonas ribeirinhas e os problemas de saúde que se vão verificar por causa das ondas de calor cada vez mais frequentes e extremas.
Comentários