Alargamento da ADSE pode abranger 118 mil novos beneficiários

O número consta de um estudo feito sobre as condições de alargamento da ADSE, onde se incluem todos os contratos a prazo e contratos individuais de trabalho, que devem passar a ser também beneficiários.

A proposta de alargamento dos benefícios da ADSE pode fazer chegar este subsistema de saúde a mais 118 mil novos beneficiários, avança o “Diário de Notícias”. O número consta de um estudo feito sobre as condições de alargamento da ADSE, onde se incluem todos os funcionários com contratos a prazo e contratos individuais de trabalho, que devem passar a ser também beneficiários.

O Conselho Geral de Supervisão ainda não reuniu consenso sobre as alterações que serão feitas ao decreto-lei que regula os benefícios da ADSE. No entanto, a primeira proposta, aprovada por unanimidade no passado novembro, prevê, numa primeira fase, a integração na ADSE dos trabalhadores permanentes da administração pública com contrato individual de trabalho.

Nesta fase, o alargamento deve chegar também aos beneficiários que anularam a inscrição na ADSE, assim como todos  aqueles que falharam os prazos para a sua inscrição.

O estudo considera um “cenário otimista” a entrada de 174 mil novos trabalhadores, prevendo ainda como “cenário realista” a inclusão de mais 118 mil portugueses. Contudo, o número efetivo deverá ser mais limitado, tendo em conta que a extensão aos contratos individuais de trabalho deverá visar preferencialmente os que estão nos Hospitais EPE e situações semelhantes.

A despesa média por beneficiário rondou os 417 euros em 2016. Este ano, estima-se que a despesa possa oscilar entre os 485 e os 504 euros.Esta quinta-feira está marcada uma nova reunião pode se prevê que a discussão possa ser retomada.

Recomendadas

Saúde: reclamações dos utentes aumentam 72% até setembro

Mau atendimento, tempos de espera, falta de informações e falta de condições são os principais motivos das queixas apresentadas pelos portugueses nos primeiros nove meses deste ano.

Sindicatos médicos contestam critério de redução de listas de utentes

Os sindicatos médicos consideram a proposta de Orçamento do Estado “meramente eleitoralista” e contestam que a redução da lista de utentes por médico de família fique dependente de 99% dos portugueses terem médico atribuído.

Administradores Hospitalares saúdam reforço na saúde e novo modelo de financiamento

A Associação dos Administradores Hospitalares saudou esta terça-feira o reforço do orçamento para a saúde e considerou “bastante positivo” o novo modelo de financiamento que está previsto para 11 hospitais públicos.
Comentários