Albuquerque quer nutrição como um dos principais vetores dos cuidados primários de saúde

O governante acredita que a nutrição é uma das áreas importantes dentro do sistema de saúde e que o papel do nutricionista terá um maior relevo.

A nutrição no entender de Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional, deve ser um dos principais vetores dos cuidados primários de saúde.

O governante falava na abertura das jornadas de nutrição, que decorreu no Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira, acrescentando que a prevenção e a formação nos bons hábitos alimentares deve ser uma “área de relevo” na saúde.

“A nutrição dentro dos cuidados primários é uma das áreas essenciais. O papel do nutricionista será cada vez mais importante”, referiu Albuquerque.

Para o governante para se garantir a sustentabilidade do serviço de saúde é preciso ter políticas “efectivas e concretas” nos cuidados primários em termos de saúde familiar.

Albuquerque sublinhou ainda que o grande problema que temos, em termos da alimentação, é “nos alimentarmos mal devido a deficientes problemas naquilo que comemos”.

Recomendadas

Parlamento Europeu: Sara Cerdas nomeada para delegações Euro-Latino-Americana e África do Sul

Sara Cerdas afirma a necessidade de “construir pontes, criar relações consolidadas e intervir diretamente nos problemas que afetam diariamente os nossos emigrantes”, acrescentando que o Parlamento Europeu dispõe de mecanismos que podem ajudar a ultrapassar alguns desses problemas.

Madeira: CDU denuncia destruição do Vale do Porto Novo por utilização de pedreiras e britadeiras

Edgar Silva diz que a destruição ambiental na Região “é uma realidade que acontece porque conta com poderosos interesses económicos aos quais os governantes nas autarquias e no Governo Regional dão proteção”.

Albuquerque quer auscultar população para definir programa de Governo

Para o presidente do Governo Regional, a escolha nas eleições regionais, é entre aqueles que “salvaguardam o direito dos madeirenses a decidirem o seu presente e futuro” e “aqueles que estão subordinados aos interesses centralistas de Lisboa”.
Comentários