Alcântara acolhe incubadora de negócios sociais

Impact Hub lança novo projeto de empreendedorismo de impacto social e ambiental, com o apoio da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) enquanto banco da economia social.

É nas instalações do Museu da Carris, em Alcântara, que vão nascer as próximas startups portuguesas de impacto social e ambiental, uma vez que é o local escolhido pelo Impact Hub Lisbon e Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) para instalação desta incubadora de cariz social. Após a inauguração em Lisboa, os responsáveis do Impact Hub planeiam a expansão pelo país e a abertura de uma escola num formato não-tradicional.

Com vista a apoiar os melhores projetos de empreendedorismo de impacto social e ambiental, o Impact Hub Lisbon dá acesso a uma rede nacional e internacional de parceiros, recursos e programas, que conta com o apoio da CEMG enquanto banco da economia social.

O conceito Impact Hub é original de Londres e trata-se de uma rede global de pólos de inovação e desenvolvimento de projetos que visam a transformação da sociedade – desde a sua fundação já nasceram mais de mil startups e foram criados cerca de 3.500 mil postos de trabalho a tempo inteiro. O Impact Hub tem mais de 15 mil membros espalhados por 80 cidades, que formam a maior comunidade de empreendedores de impacto a nível mundial.

As instalações do Impact Hub Lisbon, divididas entre ‘cowork’, escritórios privados e ‘lounge’, e integram salas de reuniões e uma zona para eventos, podem acolher até 150 pessoas. Qualquer empreendedor pode pertencer à comunidade e as empresas podem ter um Hub privado, para cerca de quatro pessoas.

Programas de incubação, aceleração e ‘scaleup’, eventos e programas de formação feitos à medida das suas necessidades são mais de alguns benefícios dos membros. Seguidamente, uma vez com os seus projetos internacionalizados, passam a ter acesso a um espaço de trabalho onde quer que exista um Impact Hub, seja em Lisboa, ou em qualquer outra das mais de 80 cidades.

“Portugal está estrategicamente posicionado para ser uma referência a nível internacional no empreendedorismo de impacto, quer devido ao seu posicionamento geográfico, reunindo assim todas as condições para ser um Hub entre a Europa/África e as Américas, quer a nível de acesso à inovação. Os empreendedores portugueses são dos mais inovadores a nível mundial e, muitas vezes o que lhes falta é um pouco de ambição, apoio e ajudar no passo de internacionalização e crescimento. É essa a diferença que queremos trazer”, afirma Filipe Portela, ‘Lead Entrepreneur’ do Impact Hub Lisbon.

Como explica João Lopes Raimundo, administrador da CEMG, “acreditamos que as startups são um motor de inovação e de crescimento económico, de competitividade e de criação de emprego qualificado, e acreditamos que estas startups dedicadas à economia social têm ainda outra valência: resolverem problemas sociais ou melhorarem a forma como as sociedades se solidarizam, aos mais diferentes níveis”.

O administrador acrescenta, ainda: “Por isso, há um alinhamento total entre o que é a atividade da CEMG e o Impact Hub no apoio a iniciativas de impacto nacional e internacional, de modo a que estas se tornem atividades sustentáveis e capazes de enfrentar com sucesso os desafios sociais e ambientais atuais e futuros. Queremos apoiar a criação da Farfetch da economia social”.

Ler mais
Recomendadas

Porto Moniz cria incubadora de empresas

A autarquia vai ceder um espaço físico para as empresas puderem desenvolver as suas actividades e ainda acesso a parceiros que permitam a inserção num contexto empresarial.

Como podem as ‘startups’ atrair financiamento? Investidores deixam conselhos

Na maioria dos casos, os empreendedores terão apenas alguns minutos para conseguirem apoio dos investidores. Além de conseguirem explicar o que vão fazer com o investimento, os investidores aconselham os fundadores das ‘startups’ a conhecerem o negócio e o mercado em que operam na ‘ponta da língua’.

Lado humano das ‘startups’ é o que atrai os investidores de Silicon Valley a Lisboa

Da Silicon Valley a Lisboa, os investidores contactados pelo Jornal Económico gostam de apostar nas competências das equipas das startups que, na maioria das vezes, afiguram-se como um investimento de alto risco. Só depois olham paras se debruçam em análises financeiras e estratégicas dos projetos.
Comentários