Allianz arrecada perto de 9 mil milhões de euros até setembro

No terceiro trimestre, registou um crescimento de 20,6% no lucro obtido, atingindo 3,0 mil milhões de euros, impulsionado principalmente pelo seguro de Propriedade e Acidentes.

Nos primeiros nove meses de 2018 o lucro da Allianz cresceu 4,8% para 8,7 mil milhões de euros, devido a um maior resultado de subscrições dos seguros de Propriedade e Acidentes, bem como a um aumento das receitas operacionais (principalmente de AuM) do negócio de Gestão de Ativos, de acordo com os dados divulgados pela seguradora esta sexta-feira, dia 9.

Já o lucro do segmento de seguros Vida/Saúde diminuiu ligeiramente, resultado de efeitos de conversão de moedas estrangeiras e de uma normalização da margem de investimento dos Estados Unidos da América. O lucro líquido atribuível aos acionistas aumentou para 5,8 mil milhões de euros: o impacto da venda da parte da carteira de seguros de vida em Taiwan foi compensado pelo aumento do lucro operacional e por menores impostos sobre os rendimentos.

No que respeita à receita interna, ajusta para efeitos cambiais e de consolidação,  registou um aumento de 9,8%, suportada por todos os segmentos de negócios. As receitas totais aumentaram de 7,9% para 30,5 mil milhões de euros, em comparação com os 27,3 mil milhões de euros registados no período homólogo de 2017.

No terceiro trimestre, registou um crescimento de 20,6% no lucro obtido, atingindo 3,0 mil milhões de euros, impulsionado principalmente pelo seguro de Propriedade e Acidentes, que registou menos pedidos de catástrofes naturais, melhor desenvolvimento dos mesmos, redução do rácio de despesas e um forte crescimento dos prémios.

A empresa dá ainda nota do crescimento na receita gerada por ativos sob gestão (AuM) e taxas de desempenho mais altas que levou a um aumento do lucro operacional do segmento de negócios de Gestão de Ativos.

O rendimento líquido atribuível aos acionistas subiu 23,6% para 1,9 mil milhões de euros, impulsionado principalmente pelo aumento do lucro operacional.

Em análise aos primeiros nove meses do ano, Oliver Bäte, CEO da Allianz SE, afirma que, durante este período, a Allianz apresentou “um forte desempenho em todos os setores, agora também apoiado por ganhos de produtividade substanciais”, acrescentando ainda que, “sobretudo em tempos desafiantes, os clientes procuram um parceiro financeiramente sólido para as suas necessidades de segurança e investimento. A Allianz tem sido um parceiro de confiança ano após ano. E estamos muito confiantes para alcançar os nossos objetivos também este ano”.

Ler mais
Recomendadas

Bison Bank liderou duas emissões obrigacionistas asiáticas no total de 1.300 milhões de dólares

O Bison Bank, ex-Banif BI, atua como Joint Lead Manager e Joint Bookrunner nas duas emissões obrigacionistas asiáticas.

Carlos Costa: “Apesar dos incontestáveis progressos, não há espaço para complacência”

Governador do Banco de Portugal defendeu a necessidade de forjar consensos políticos e económicos para implementar reformas estruturais.

Tecnologia e comissões elevam lucros do Banco Best para 3,6 milhões

O Banco Best registou lucros de 3,6 milhões de euros, o que se traduz num aumento de 18% face a 2017. Best realizou primeira operação de subscrição de fundos através de Blockchain em Portugal e antecipou-se à era da banca aberta.
Comentários