Altice procura liderança na TV e diz-se “preparada para brevemente disponibilizar 5G”

São objetivos ambiciosos, mas a empresa liderada por Alexandre Fonseca acredita estar no caminho para alcançar a liderança no mercado de serviço de distribuição de sinais de TV por subscrição, para disponibilizar 5G e alcançar a meta das 5,3 milhões de casas passadas com fibra ótica.

Rafael Marchante/Reuters

O momento atual é o “de garantir a segurança de todos” e “garantir o funcionamento pleno dos serviços de comunicações”, mas isso não faz a Altice Portugal alterar a sua estratégia ou redefinir prioridades para 2020. Na terça-feira, a dona da Meo revelou as contas de 2019 e, em comunicado, deixou claro três objetivos a cumprir em 2020, superada “esta fase extraordinária”: alcançar a liderança no mercado de serviço de distribuição de sinais de TV por subscrição; disponibilizar a quinta geração da rede móvel (5G); e alcançar a meta das 5,3 milhões de casas passadas com fibra ótica.

São três objetivos ambiciosos, mas a empresa liderada por Alexandre Fonseca acredita estar no caminho. Porquê? Primeiro. porque a Altice Portugal registou um “reforço da base de clientes”, graças ao aumento no número de serviços prestados tanto no negócio fixo como no negócio móvel. A empresa entende esse reforço como um sinal positivo do forte investimento realizado em 2019 (436 milhões de euros, sobretudo em fibra ótica). O investimento cresceu doze milhões de 2018 para 2019, fruto de uma “aposta na expansão da rede móvel 4G, transformação da rede de transporte, investimento na plataforma de televisão e em particular no reforço da Infraestrutura de fibra ótica”

“Durante 2019 foram passadas mais 425 mil novas casas com, elevando o número total para 4,9 milhões de casas passadas. A meta das 5,3 milhões de casas com Fibra está cada vez mais perto”, garante a operadora de telecomunicações no comunicado com os resultados de 2019.

No mesmo documento a Altice assegura também que “continua a dar passos sólidos no sentido da liderança na TV”. A operadora registou mais 56 mil adições líquidas em 2019, no que respeita aos serviços de TV por subscrição, traduzindo-se numa “redução de dois pontos percentuais (41,2% vs. 39,2%) para 0,5 pontos percentuais (40,1% vs. 39,6%) da diferença de quota de mercado face ao operador ainda líder [a NOS], em apenas um ano”.

Em 12 de março, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) revelou que, em 2019, cerca de 88% das famílias em Portugal tinham em casa serviço de distribuição de sinais de TV por subscrição. A NOS era o prestador com a quota de subscritores mais elevada (40,1%), seguindo-se a Meo (subsidiária da Altice) (39,6%), a Vodafone (16,3%) e a Nowo, com 3,9%.

Mas em termos líquidos, a par da Vodafone, a Meo era o prestador que mais assinantes captara em 2019. A Vodafone viu a sua quota crescer 1,1 pontos percentuais e a Meo viu a sua quota crescer 0,4 pontos percentuais. No mesmo período, as quotas do Grupo Nos diminuíram 1,1 pontos percentuais e da Nowo diminuíram 0,4 pontos percentuais.

Próximo passo? 5G
O outro grande objetivo da Altice Portugal é colocar em campo o 5G, apesar de a libertação da nova tecnologia móvel em stand-by.A Anacom suspendeu por tempo indeterminado o processo de consulta pública para o leilão do 5G, que deveria iniciar-se em abril, “por motivos de força maior”. A suspensão foi pedida pelas operadoras.

Contudo, a empresa liderada por Alexandre Fonseca diz-se “preparada para, brevemente, disponibilizar tecnologia 5G”.

“Mesmo com a suspensão do processo de consulta pública sobre o projeto de regulamento do leilão 5G, acreditamos que esta nova tecnologia, em devido tempo, será um verdadeiro game changer, trazendo consigo um desafio dirigido às empresas: a transição digital”, salienta a Altice Portugal.

A empresa acrescenta que depois de ultrapassada “esta fase extraordinária”, será “o verdadeiro desafio para Portugal, e para o qual a Altice Portugal estará com certeza preparada”.

Ler mais
Relacionadas

Altice fecha 2019 com crescimento de 1,7%, para 2,11 mil milhões de euros nas receitas

Receitas cresceram para patamar “histórico” em 2019. O investimento entre outubro e dezembro foi o mais elevado dos últimos 16 trimestres. Altice fechou 2019 com 4,9 milhões de casa passadas com fibra ótica, perto do objetivo de chegar às 5,3 milhões em 2020. Dona da Meo apresentou esta terça-feira as contas de 2019.
Recomendadas

Empresa portuguesa desenvolve equipamento para criar quartos de pressão negativa

Tecnologia permite transformar quartos convencionais em quartos de pressão negativa para tratar doentes infectocontagiosos, bem como fazer a purificação do ar eliminando assim os vírus e bactérias e prevenindo a contaminação.

Santander Totta vai passar a pagar aos fornecedores a pronto pagamento

“Esta medida reforça o conjunto de outras que o Santander tem vindo a implementar para apoiar a economia e minimizar os impactos negativos provocados pela Covid-19, com especial foco na tesouraria e liquidez dos seus clientes”, referiu o Santander Totta.

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.
Comentários