Amâncio Ortega recebe dividendos de 693 milhões de euros

O valor impressiona, mas é só metade do que o fundador do grupo Inditex receberá este ano por ser o maior acionista, com uma posição próxima dos 60%.

O fundador e principal acionista da Inditex, Amâncio Ortega, recebe esta sexta-feira dividendos da ordem dos 693 milhões de euros, o que perfaz um ganho anual de 1.386 milhões. Ortega receberá os quase 1.400 milhões em dividendos através das empresas Pontegadea Inversiones e Partler, com as quais controla 59,294% das ações da Inditex. No ano passado, Ortaga havia recebido ‘apenas’ 1.256 milhões.  A fortuna do empresário está avaliada em 58 mil milhões de euros.

Já este ano, as vendas do grupo Inditex, que produz em Portugal cerca de 20% do total das suas vendas, ultrapassaram a barreira dos 12,025 mil milhões de euros no primeiro semestre (mais 3% que em período homólogo de 2017), com os lucros a ascenderem aos 1.409 milhões de euros no seu primeiro semestre fiscal (fevereiro a julho), mais 3,1 % do que há um ano.

A faturação da Inditex foi reduzida com a depreciação em relação ao euro de algumas das moedas dos países em que opera e que, se esse fator não influenciasse as contas, o aumento seria de 8%.

Na altura, o presidente da Inditex, Pablo Isla, destacou “a solidez de todas as alíneas das contas de resultados, como consequência da singularidade e do vigor do modelo de negócio integrado e sustentável integrado”. Isla foi posteriormente considerado como o gestor mais importante do mundo por um painel organizado por uma universidade britânica.

No período em referência, a Inditex abriu lojas em 44 do total de 96 países em que opera, e no final de julho tinha 7.422 estabelecimento, menos 26 do que em abril, o que reflete a política seguida de absorver lojas mais pequenas por outras de maior dimensão e em apostar nas vendas online.

Em Portugal, o grupo Inditex emprega quase sete mil colaboradores nas suas 342 lojas com as marcas de Zara (70), Zara Kids (16), Pull&Bear (51), Massimo Dutti(42), Bershka (49), Stradivarius (44), Oysho (36), Zara Home (28) e Uterque (6).

O gigante galego distribuirá este ano entre os seus acionistas mais de 2.300 milhões de euros por conta dos resultados de 2017, o que significa 0,75 euros por título, 10,3% mais do verificado no ano anterior.

Os lucros do grupo são em parte alavancados pela margem bruta do negócio – a diferença entre vendas realizadas por um produto e os custos da sua produção, com a exclusão de todos os outros custos – que, no caso das vendas no mercado doméstico, no caso o espanhol, está situada nos 56,8%. Como termo de comparação, refira-se que o El Corte Inglés gerou, para o mesmo mercado, uma margem bruta de 36,9%.

Ler mais
Relacionadas

Pablo Isla, da Inditex, é o melhor executivo do mundo

A Harvard Bussiness Review coloca o presidente do grupo galego à frente do ranking que mede o desempenho económico mas também a responsabilidade social dos gestores. Foram analisados os percursos de 881 CEO.

Dona da Zara sobe lucros para 1.409 milhões de euros e ações avançam 3%

O grupo espanhol Inditex aumentou os seus lucros em 3,1% no primeiro semestre fiscal de 2018.
Recomendadas

Recorde no Airbnb. Mais de 4 milhões de pessoas reservaram alojamento numa só noite

10 de agosto foi um dia histórico para a empresa criada em 2008.

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Há outro sindicato em guerra com o Governo, agora por causa da Ryanair

“A partir deste momento, os trabalhadores portugueses ficam a saber que para o Governo português só se podem fazer greves de um ou dois dias”, acusa o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.
Comentários