Amazon: ações podem chegar aos três mil dólares nos próximos dois anos, estima Bloomberg

A avaliação de três mil dólares por título implica uma capitalização bolsista de 1,47 mil milhões de dólares (1,31 mil milhões de euros).

As ações da empresa tecnológica Amazon podem atingir três mil dólares (mais de dois mil euros) durante os próximos dois ou três anos, segundo as previsões dos analistas da Piper Jaffray, revela a ‘Bloomberg’. Esta subida implica uma subida de 65% nas cotações atuais da empresa.

“Temos um grande grau de confiança que as ações da Amazon podem alcançar este nível sem aquisições de grande dimensão ou outras mudanças substanciais ao negócio”, afirmam os analistas.

Se esta avaliação de três mil dólares por título se concretizar, implica uma capitalização bolsista de 1,47 mil milhões de dólares (1,31 mil milhões de euros) – acima do patamar do mil milhão de dólares que a retalhista disputava com a gigante Apple. A empresa da maçã foi a primeira empresa norte-americana a tocar a fasquia de mil milhões de dólares.

A Amazon apresenta uma subida de 0,41% no preço das ações, sendo que já estão a cotar nos 1.822,94 dólares. A retalhista já chegou a subir quase 1,5% durante uma sessão. Desde janeiro, a empresa já valorizou 21,51% e tem uma avaliação de 898,5 mil milhões de dólares.

Caso a tendência se mantenha, este será o quinto ano de ganhos para a empresa de Bezos. Em 2015 as ações subiram 117,78%, enquanto em 2016 apresentaram uma subida perto dos 11%, acrescentando 55% em 2017 e 28% no ano passado.

Segundo os dados recolhidos pela Bloomberg, a Amazon tem 49 recomendações de compra. O preço-alvo aponta para 2.231 dólares, um valor acima do estimado pelos analista da Piper, cujo montante se fixava em 2.225 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

Cabral dos Santos revela carta onde Berardo pede à CGD crédito de 350 milhões para comprar ações do BCP

“A carta de Joe Berardo a Carlos Santos Ferreira de 10 de novembro de 2016 evidencia que foi a Fundação Berardo tomou a iniciativa de consultar a Caixa” [para o empréstimo de 350 milhões de euros]. A operação ou era feita com rácio de cobertura por garantias de 105% ou não se fazia. Essa era condição do cliente. A operação fez-se apesar de o parecer do risco ter inicialmente exigido uma cobertura de 120%.
Comentários