American Airlines quer usar administradores como ‘cobaias’ para provar que voar no Boeing 737 MAX é seguro

O objetivo é provar que a aeronave é segura e não voltará a cair. Os aviões estão parados desde que dois aviões da empresa se despenharam e causaram mais de 300 mortos.

Justin Lane / EPA

A empresa American Airlines está a planear utilizar os seus administradores como ‘cobaias’ para voar no avião Boeing 737 Max antes de qualquer passageiro, numa tentativa de tranquilizar o público de que a aeronave é segura e não voltará a cair, revela o “Business Insider” esta quinta-feira.

Doug Parker, CEO da American Airlines Group, afirmou aos investidores na assembleia anual de acionistas na quarta-feira, que os Executivos e funcionários vão efetuar voos de teste no avião assim que a Administração Federal de Aviação (FAA na sigla inglesa) aprovar a aeronave para voar novamente.

O modelo 737 MAX está parado em todo o mundo desde que um avião da Ethiopian Airlines 737 Max caiu e matou 157 pessoas em março e, com uma diferença de cinco meses, outro avião da companhia Lion Air 737 Max caiu e matou 189 pessoas a bordo.

A Boeing completou uma atualização de software para o avião, com o propósito de resolver um problema no sistema que falhou nos aviões acidentados. As companhias aéreas estão atualmente a aguardar a aprovação da FAA para colocar os aviões de volta aos ares.

Contudo, os norte-americanos continuam a ter receios e dúvidas sobre a segurança deste avião. Um estudo do banco de investimento UBS, no início de junho, revelou que 41% dos americanos não pensam voar num 737 Max até que este esteja em funcionamento, sem problemas, durante pelo menos seis meses.

O diretor de marketing da Southwest revelou em maio que os passageiros que não quiserem voar num 737 Max poderão mudar de avião de forma gratuita. Ryan Green afirmou à CNBC que “se eles [passageiros] não estiverem dispostos a voar numa aeronave 737 Max, seremos flexíveis com eles”.

Até ao momento, não existe uma data definida para o 737 Max voltar voar. No entanto, um funcionário da Administração Federal de Aviação disse esta semana que o avião deverá estar de volta em dezembro. Ali Bahrami, administrador associado da FAA para a segurança da aviação, disse na Alemanha que a FAA está sob muita pressão e que o avião voltará aos céus “quando acreditarmos que é seguro”.

A American Airlines cancelou os voos que dependiam do modelo 737 Max (cerca de 115 por dia) até 3 de setembro.

Ler mais
Relacionadas

Boeing já conhecia os problemas do 737 antes dos dois acidentes, mas nunca informou companhias aéreas

A falha no alerta do cockpit do 737 Max foi detetato em maio de 2017 e, de acordo com a empresa, os engenheiros da Boeing analisaram a questão e “determinaram que a ausência do alerta não causava impacto adverso na segurança ou na operação do avião”.

Ethiopian Airlines: Poderá uma ave ter causado a queda do Boeing 737 Max?

Autoridades da aviação norte-americanas acreditam que uma colisão de aves pode ter causado a queda fatal do Boeing 737 Max, em março, que causou 157 mortes.

Alguns Boeing 737 MAX estiveram para ficar em terra em 2018

Os aviões estiveram perto de ficar em terra após saberem que o fabricante tinha desativado um sinal de alerta relativo ao “software” de controlo de voo.
Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários