PremiumAmericana Oracle a caminho do parque da Lionesa, em Matosinhos

O centro empresarial continua a expansão. Depois de crescer a sul, agora vai aumentar para norte, com entrada direta para as rodovias estruturantes.

A Oracle, gigante norte-americano do setor da tecnologia e informática – que fatura cerca de 40 mil milhões de dólares por ano – é a próxima empresa a instalar-se no interior do complexo empresarial da Lionesa em Leça do Balio, arredores do Porto, confirmou ao Jornal Económico o CEO daquele ‘business hub’, Pedro Pinto. O grupo, que opera em território nacional através da Oracle Portugal, já está a proceder a obras de preparação das instalações, que vão ocupar uma área de cerca de mil metros quadrados.

A Oracle – que está no Top10 mundial das tecnológicas juntamente com a Apple, Samsung, Microsoft, Alphabet, IBM, Intel, Cisco Systems, Hon Hai e Facebook – tem vindo a estender a sua atividade a outras geografias e a segmentos mais inovadores da área tecnológica, depois de, apesar de manter um volume de negócios linear, ter visto os lucros descerem abruptamente (mais de 50%) nos três últimos exercícios.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PAN pede campanha informativa sobre 5G em Matosinhos

Matosinhos tem uma Zonal Livre Tecnológica, promovida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, da qual faz parte a NOS. A operadora usa a zona para testar 5G e em outubro anunciou ter coberto “integralmente” com a nova tecnologia móvel. Agora o PAN pede palestras, conferências e debates por toda a cidade para explicar o que é o 5G.

PremiumPropostas não vinculativas pela Brisa são esperadas até 19 de dezembro

O grupo José de Mello e o fundo Arcus, que controlam a maioria do capital, colocaram à venda 80% da empresa (40% cada um).

Transporte de passageiros nos aeroportos nacionais regista crescimento de 6,6%

Este valor representa um aumento de 7,8% em relação ao trimestre anterior num total de 18,8 milhões de passageiros. Em sentido inverso, o transporte de mercadorias verificou quebras de 12,9% nos portos marítimos nacionais, 15,9% por ferrovia e 5,8% por via rodoviária.
Comentários