Anacom deixa de regular mercado de originação de rede fixa

Por considerar que a sua atuação neste domínio “deixou de ser necessária”, a Anacom vai deixar de regular o mercado de originação de chamadas na rede telefónica pública. O projeto de decião final será notificado à Comissão Europeia.

A Anacom vai deixar de regular o mercado de originação de chamadas na rede telefónica pública por considerar que a sua atuação neste domínio “deixou de ser necessária”, diz a entidade reguladora em comunicado desta sexta-feira, 10 de agosto.

“A intervenção regulatória da Anacom no mercado grossista de originação de chamadas na rede telefónica pública num local fixo para a viabilização de serviços telefónicos retalhistas, através de acesso indireto (pré-seleção ou seleção chamada a chamada) ou da oferta de referência da linha de assinante (ORLA) deixou de ser necessária”, lê-se no documento.

A explicação por esta tomada de posição prende-se com os operadores alternativos que têm investido cada vez em infraestrutura própria o que fez a utilização do acesso indirecto e da ORLA ter perdido relevância.

Assim, “este mercado não reúne os três critérios previstos na Recomendação da Comissão Europeia sobre Mercados Relevantes que permitem a regulação ex-ante, pelo que o mercado deixará de ser regulado, e consequentemente, a MEO vai deixar de estar sujeita às obrigações que lhe eram impostas”.

A MEO ficará sujeito, de forma transitória, apenas à obrigação de controlo de preços, na forma e nos valores atualmente em vigor. Esta obrigação de controlo apenas poderá ser eliminada num prazo de dezoito menses após a decisão relativa a este mercado. O projeto final de decisão da Anacom “será agora notificada à Comissão Europeia”.

Assim, “durante este período transitório, [a MEO] deverá manter todas as condições atualmente em vigor para os acessos já fornecidos, sendo que não está obrigada a fornecer novos acessos a partir da data de aprovação final pela Anacom relativa ao mesmo”, explica a reguladora das telecomunicações.

Ler mais
Recomendadas

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais, diz a PwC

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

FMI indica três passos para evitar uma crise de dívida pública

O artigo publicado hoje no IMFBlog, o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma que “a sustentabilidade da dívida de alguns países de alto risco tem sido objeto de muito debate público”, mas, no entanto, “o peso da dívida pública é um problema crescente em todo o mundo”.

Luís Pedro Martins eleito para mandato de 5 anos na Turismo Porto e Norte de Portugal

De acordo com os atuais estatutos da TPNP, o mandato da comissão executiva tem a duração de cinco anos e só pode ser renovado uma vez.
Comentários