Anacom e UEFA já preparam a final four da Liga das Nações

No início deste mês, a UEFA reuniu com a Anacom para iniciar a preparação dos pedidos de licenças necessárias à utilização de frequências, imprescindíveis para a realização do evento e para a sua transmissão televisiva para diversos países.

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) e a UEFA já se encontram a trabalhar para a preparação da final four da Liga das Nações, que será realizada no Porto e em Guimarães, entre 5 e 9 de junho.

Segundo o comunicado da Anacom, no início deste mês a UEFA reuniu com a entidade em Lisboa, para “começar a preparar os pedidos de licenças necessárias à utilização de frequências, imprescindíveis para a realização do evento e para a sua transmissão televisiva para diversos países”.

A Anacom estará também no terreno para monitorizar o espectro radioelétrico, e garantir assim, que “as redes e estações de radiocomunicações operam sem interferências prejudiciais à realização do evento”.

A entidade assume que a “ausência de interferências é fundamental para o sucesso deste evento de dimensão internacional no qual existe uma elevada concentração de ‘meios rádio’, nomeadamente dezenas de microfones sem fios e de auxiliares de monitorização auditiva (in-ears), emissores-recetores (walkie-talkies) para coordenação e gestão de operações, câmaras de vídeo sem fios, bem como as comunicações por satélite, de modo a que a transmissão do evento possa chegar aos vários países”.

Em qualquer uma destas situações a Anacom afirma que “é fundamental assegurar a correta utilização do espectro, sem constrangimentos e interferências, para que tudo possa funcionar nas melhores condições”.

Recomendadas

Sporting não recorre de decisão do processo e-toupeira

Além do Ministério Público, só António Perdigão da Silva, ex-árbitro e assistente no processo apresentaram recurso da decisão do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC).

Futebol alemão tem receita recorde e cria impacto de mais de mil milhões na economia germânica

Na Bundesliga, 17 dos 18 clubes tiveram receitas superiores a 100 milhões de euros. Estudo aponta que as duas ligas profissionais do país geram 55 mil empregos diretos e indiretos.

Hoje há “Jogo Económico”. Existe verdade desportiva na Liga portuguesa de futebol?

Pode a Liga NOS ser um produto vendável e rentável enquanto o ruído do futebol português colocar em causa a verdade desportiva? O jornalista Rui Santos vem esta sexta-feira ao “Jogo Económico” para debater com Luís Miguel Henrique e João Marcelino.
Comentários