Anchorage Capital Group lidera corrida à compra dos imóveis do Novo Banco

O Novo Banco escolheu a sociedade norte-americana Anchorage Capital Group para ficar com o seu portfólio de 9.000 imóveis obtidos por dação em incumprimento, avaliado em 700 milhões de euros, segundo avança a agência Bloomberg.

A “Bloomberg” avança esta quarta-feira que a Anchorage Capital Group lidera a corrida à compra de uma carteira de imóveis do Novo Banco no valor de 700 milhões de euros, conhecido como “Projeto Viriato”. A licitação para ativos imobiliários do Novo Banco esteve a ser disputada pelas Anchorage Capital Group, o Bain Capital Credit e o Arrow Global Group.

A venda, apelidada de “Projeto Viriato”, compreende os imóveis detidos por execução de ativos, fruto do incumprimento do crédito, com um valor contabilístico de 700 milhões de euros  e é uma das maiores ofertas de carteiras de ativos imobiliários dos bancos deste ano, refere a agência noticiosa, que cita fontes ligadas ao processo.

O processo de venda abrange um portefólio de nove mil imóveis. A maioria dos imóveis deste portefólio estão situados em Lisboa e Porto, sendo que cerca de metade são residenciais, 25% são imóveis comerciais e os restantes 25% são terrenos.

O valor final da aquisição vai, no entanto, depender  da qualidade dos imóveis, porque dentro de uma carteira tão grande há ativos maus e ativos bons, e os especialistas do mercado dizem que “é preciso que existam bons ativos que compensem outros menos bons”.

O processo, designado “Project Viriato”, está a ser assessorado pela consultora Alantra, sendo que foram convidadas a Anchorage Capital Group, o Bain Capital Credit e a Arrow Global Group a apresentarem as suas ofertas.

O Novo Banco arrancou com o processo de venda de um vasto portfólio de crédito malparado (non performing loans, ou NPL), em duas operações que são assessoradas pela consultora espanhola Alantra. Uma é esta e chama-se “Projeto Viriato” e outra chama-se “Projeto Nata”. A Linklaters está a assessorar uma dessas operações, de venda de carteiras de NPL no valor de 1,1 mil milhões de euros, ao passo que o assessor jurídico do outro processo, no valor de 700 milhões, é a Garrigues (Projeto Viriato).

Segundo a agência noticiosa, a gestora imobiliária portuguesa Lace Investment Partners vai fazer a gestão imobiliária dos imóveis de pois de serem adquiridos pela Anchorage Capital Group.

A venda ocorre numa altura em que o Novo Banco tem ordem para reduzir os seus ativos não estratégicos como parte de um plano de reestruturação que termina em 2021. Até lá, o banco disse que não distribuiria dividendos aos acionistas.

A carteira de imóveis do banco liderado por António Ramalho estava avaliada no final do primeiro semestre em perto de dois mil milhões de euros. Mais especificamente, 1.923 milhões, correspondentes a 35% do valor global.

Recorde-se que o Novo Banco tem a vicissitude de ter herdado um pesado legado, ao nível dos ativos problemáticos do imobiliário; tem um legado pesado de NPL – Non Performin Loans (vulgo crédito malparado) e tem ainda uma herança de passivos caros que foram emitidos no tempo do BES.

Nas últimas contas semestrais, e quanto à limpeza do balanço, o banco revela que o crédito vencido líquido diminuiu 33% (1/3) em apenas um ano, de 32,1% (em junho de 2017) para 28,7% em junho deste ano.

“No semestre continuou a redução dos NPLs cujo rácio continuou a melhorar situando-se nos 28,7% (-3,4% que o homólogo) provisionado em 63,0% (mais 11,8% que no período homólogo). O rácio de NPLs líquido de imparidades desceu de 15,7% em junho de 2017 para 10,6% neste semestre, uma redução de cerca de 33%”, lê-se no comunicado.

“A sinistralidade do crédito não produtivo reduziu-se para 28,7% (30 de junho de 2017: 32,1%; 31 de dezembro de 2017: 30,5%), com a respetiva cobertura por imparidade a aumentar para 63,0% (30 de junho de 2017: 51,2%; 31 de dezembro de 2017: 58,7%).

Neste primeiro semestre deste ano, as imparidades ascenderam a 248,4 milhões que comparam com o registo de 413,1 milhões no 1º semestre de 2017. A imparidade para crédito totalizou 199,6 milhões de euros face a 258,3 milhões apurados no período homólogo.

O Jornal Económico contactou o Novo Banco, mas não obteve resposta até ao momento.

(atualizada)

Ler mais
Recomendadas

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.

BNI Europa estabelece parceria com empresa alemã para concretizar a implementação da Diretiva de Serviços de Pagamento

Esta cooperação é um marco para o futuro desenvolvimento do Open Banking na Europa e o próximo passo no crescimento do Banco BNI Europa, diz o banco.

Natixis registou resultado líquido de 1,6 mil milhões de euros em 2018

A Natixis alcançou 12,0% de RoTE (Return on tangible equity) subjacente (13,9% ajustado) face a 12,3% em 2017, anuncia o banco francês. O RoE (return-on-equity, rendimento sobre o capital) subjacente dos negócios atingiu 13,7% (15,1% ajustado), face a 13,8% em 2017.
Comentários