Anestesistas do Amadora-Sintra marcam greve entre 20 e 24 de maio

Serviço de anestesiologia alerta “para várias irregularidades e de carências que afetam, com gravidade, a boa prática da sua atividade clínica e que se salientam sobretudo na atividade de urgência, embora também em outras áreas”.

HO/Reuters

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) informaram hoje que o serviço de anestesiologia do Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) estará em greve das 08h00 horas do dia 20 de maio, até às 20h00 horas do dia 24 de maio.

As duas entidades chamam a atenção no documento para os alertas dados “há mais de um ano” pelos médicos anestesiologistas do hospital Amadora-Sintra que aos Sindicatos Médicos, à Ordem dos Médicos, ao Colégio da Especialidade de Anestesiologia, ao Conselho de Administração (CA) e à Direção Clínica do HFF, sobre a existência de “várias irregularidades e de carências que afetam, com gravidade, a boa prática da sua atividade clínica e que se salientam sobretudo na atividade de urgência, embora também em outras áreas”.

As entidades acusam o Ministério da Saúde e o CA de serem os “responsáveis pela desorganização em que se encontram as urgências hospitalares e pela desarticulação de serviços de saúde, bem como pela saída dos profissionais médicos do SNS, não valorizados, desiludidos e exaustos”.

O SIM e o SMZS avisam ainda que “a grande maioria dos anestesiologistas já ultrapassou ou está quase a ultrapassar os limites máximos de trabalho suplementar anual de 150 horas” e que “os médicos fazem e continuam a fazer milhares de horas extra por ano para os serviços não fecharem”.

As reivindicações apresentadas passam pela “dotação da equipa de urgência com quatro elementos, todos especialistas, de molde a garantir que a atividade médica tenha lugar com a necessária segurança clínica, nas áreas de Bloco Operatório, Bloco de Partos, Unidade de Cuidados Pós-Anestésicos, Reanimação Intra-Hospitalar e atividade fora do Bloco Operatório, nomeadamente Unidade de Técnicas de Gastroenterologia, Unidade de Técnicas de Pneumologia, Salas de TAC e RMN e Laboratório de Hemodinâmica”.

As entidades pedem também a “contratação de mais especialistas, de forma a cumprir escrupulosamente as recomendações da Ordem dos Médicos e do Colégio da Especialidade de Anestesiologia quanto aos números mínimos indispensáveis para assegurar a atuação médica”.

Por fim, o SIM e o SMZS lançam um último apelo para que o Conselho de Administração “possa desenvolver medidas que possam ainda impedir esta forma de luta extrema e evitem o previsível cancelamento e adiamento de cirurgias”.

Ler mais
Recomendadas

Sindicato alerta que greve na limpeza vai parar Hospital de São João no Porto

Os trabalhadores da limpeza do Hospital de São João, no Porto, iniciaram hoje uma greve de três dias com uma adesão “próxima dos 70 por cento” e o sindicato garante que a instituição vai “parar completamente” na segunda-feira.

Conhece a regra ‘ABCDE’? Saiba como interpretar os sinais do corpo (e como se proteger do calor este verão)

Em entrevista ao Jornal Económico, Rita Sousa, médica especialista em Oncologia, alerta para os riscos da exposição solar e os cuidados a ter na prevenção do cancro da pele.

Infarmed vai passar a aprovar medicamentos só a pensar no custo

Alteração pode colocar em causa o acesso dos doentes à inovação. Mudança da metodologia de avaliação, na reta final do mandato da atual direção, está a ser alvo de críticas.
Comentários