Anfitriãs da Airbnb em Portugal ganharam mais de 122 milhões de euros em 2017

Na última década as anfitriãs que usam a plataforma receberam mais de 20 mil milhões de dólares (16 mil milhões de euros). Em Portugal, de todos os anfitriões com alojamento anunciado na Airbnb, 58% são mulheres.

Cristina Bernardo
Ler mais

Em Portugal, as anfitriãs com alojamentos anunciados na Airbnb receberam coletivamente um pouco mais de 150 milhões de dólares (122 milhões de euros) em 2017, enquanto uma anfitriã típica ganhou cerca de 4.600 dólares (3.700 euros) partilhando a sua casa ou os seus conhecimentos durante o ano passado.

Globalmente, o género feminino é maioritário na plataforma Airbnb: 55% dos anfitriões dos alojamentos são mulheres, com metade a representar todas as experiências disponibilizadas.

Sobre estes dados, Arnaldo Muñoz, Diretor geral da Airbnb Marketing Services em Espanha e Portugal, faz questão de sublinhar que “as mulheres são as grandes promotoras da comunidade Airbnb e estamos orgulhosos por ser a plataforma de viagens onde elas podem desenvolver seu espírito empreendedor e promover as suas capacidades no setor da tecnologia, através de diferentes projetos à volta do mundo”.

A plataforma apurou ainda que as anfitriãs que usam a Airbnb obtiveram globalmente 22 milhões de dólares (16.300 milhões de euros) na última década. Este rendimento aumentou exponencialmente em 2017: apenas nos últimos doze meses, as mulheres anfitriãs com alojamentos disponibilizados através da plataforma ganharam cerca de 10 milhões de dólares (quase 8.100 milhões de euros), um valor equivalente ao lucro registado nos nove anos anteriores.

Os EUA são o país do mundo com mais mulheres anfitriãs, seguidos pela França, Itália, Grã-Bretanha e Espanha. Portugal surge na 11ª posição dos países europeus com mais mulheres anfitriãs na plataforma Airbnb.

Iniciativas para fomentar o empreendedorismo feminino

A Airbnb aposta desde sempre em parcerias com organizações de apoio a empreendedoras em todo o mundo. Na Índia, por exemplo, a plataforma está a trabalhar com a Associação das Mulheres Trabalhadoras por Conta Própria, que representa uma das maiores organizações sindicais femininas do país, para promover oportunidades para as mulheres que vivem em ambiente rural.

A parceria com a Vital Voices por outro lado, já apoiou a deslocação de mulheres empresárias em viagens para a criação de redes de contactos e para o desenvolvimento profissional. A Airbnb associou-se também à Open Africa para criar novas condições de sustento, através do alojamento local, às mulheres de áreas rurais em toda a província do Cabo Ocidental, na África do Sul.

Por fim, trabalhou ainda com a SP Business (SP Negócios), uma entidade ligada à Prefeitura da cidade de São Paulo, com o objetivo de promover o empreendedorismo feminino no setor das tecnologias no Brasil, ao receber empresárias nos escritórios da Airbnb em São Francisco, EUA.

 

Recomendadas

Carlos Tavares diz que Concorrência e Bruxelas analisaram as propostas do Governo sem olhar para mercado ibérico de eletricidade

“Qualquer análise de concorrência tinha de ser feito no âmbito do mercado ibérico, o que foi totalmente esquecido no parecer da Autoridade da Concorrência que se baseava apenas no funcionamento do mercado fechado”, disse o ex-ministro que diz que “se há coisa que se arrepende é de ter sido Ministro da Economia”.

Serviço público dá prejuízo às farmácias, conclui estudo da ANF

Associação Nacional de Farmácias salienta as conclusões do estudo “Sustentabilidade da Dispensa de Medicamentos em Portugal”, realizado pela Universidade de Aveiro em colaboração com a sociedade de revisores oficiais de contas Oliveira, Reis & Associados.

Vai ser afetado pela greve da Ryanair esta sexta-feira? Conheça os seus direitos

Paralisação vai afetar cerca de 190 voos em toda a Europa e aproximadamente 30 mil passageiros e pode custar à Ryanair cerca de 8,4 milhões de euros em compensações. Se tem bilhete para voar com a companhia ‘low cost’, saiba como se defender.
Comentários